Valor real do boi gordo já é o maior desde fevereiro de 2018

Em termos nominais, Indicador Esalq/B3 atingiu média recorde de R$ 160,94 no acumulado de outubro

A média do Indicador do boi gordo Esalq/B3 na parcial de outubro (até o dia 16) ficou em R$ 160,94, atingindo, em termos nominais, o maior patamar da série histórica do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada). Porém, em termos reais (descontado o efeito inflacionário), trata-se do patamar mais elevado desde fevereiro de 2018. Ontem, 16 de outubro, o Indicador fechou a R$ 161,40, ligeira queda de 0,5% no acumulado parcial do mês.

Continue a leitura após o anúncio

Conjuntura

A baixa oferta de animais prontos para o abate segue sustentando os valores da arroba do boi gordo e, consequentemente, da carne no atacado, segundo informa o Cepea. Além disso, a demanda internacional pela carne bovina brasileira continua bastante aquecida, principalmente por parte da China.

Atacado

Para a carne negociada no atacado, a elevação acumulada na parcial deste mês é de 4,8%, com a carcaça casada do boi negociada, à vista, a R$ 11,39/kg na quarta-feira, 16 de outubro. A média mensal da carcaça casada em outubro, de R$ 11,02/kg, é a maior, em termos nominais, da série do Cepea. Já em termos reais, é a mais elevada desde janeiro de 2018.

Preços do boi seguem firmes, sustentados pelas exportações

Nesta semana, o preço do boi gordo permanece firme no mercado físico, com a maioria dos negócios ainda respeitando o intervalo entre R$ 161/@ e R$ 163,65/@ em São Paulo, informa a Agrifatto. “Há expectativa que os embarques de carne bovina se mantenham aquecidos nos próximos meses, oferecendo importante suporte às cotações”, observa a consultoria.

As escalas de abate avançaram sutilmente no decorrer desta semana. As praças de São Paulo e Goiás, de acordo com a Agrifatto, ainda são as que mostram maior conforto em suas programações, com médias entre 7 e 8 dias úteis, respectivamente. Por sua vez, nos últimos meses, as indústrias dos Estados da região Norte têm a maior dificuldade de compor suas escalas de abate, demonstrando baixa disponibilidade de animais prontos. Na região, as indústrias trabalham com média de 3 a 4 dias úteis, segundo levantamento da consultoria.

Ontem, 16 de outubro, o indicador Esalq/B3/Cepea fechou em R$ 161,40/@, com ligeira queda de 0,15% no comparativo diário. Na B3, o contrato futuro para com entrega para novembro fechou a R$ 168,60/@, avanço de R$ 0,25 em relação ao dia anterior. Já o com vencimento em dezembro foi cotado a R$ 172,20/@, praticamente estável na comparação diária.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.