Preços do tomate sobem devido a menor oferta

A cenoura e a cebola, por outro lado, tiveram baixa de preços em outubro, informa a Conab

A menor oferta de tomate provocou aumento dos preços do produto em outubro. No segmento atacadista, a maior alta registrada para o alimento foi na central do Rio de Janeiro, com 114%, seguida de Goiânia, com 52%, de Vitória e de São Paulo, com 51% e 40%, respectivamente. O forte calor nas regiões produtoras em setembro continuou trazendo impactos na oferta em outubro, influenciando no encarecimento do produto, informa a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que divulgou nesta sexta-feira (13/11) o 11º Boletim do Programa Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro (Prohort).

As condições climáticas também influenciaram no volume de batata ofertada no atacado. As altas temperaturas encurtaram o ciclo de produção e aceleraram o ritmo de colheita em setembro, a fim de que não houvesse comprometimento da qualidade dos tubérculos. Já em outubro, a oferta diminuiu e houve alta de preços em todos os mercados analisados pela Conab.

Cenoura e cebola apresentam comportamento oposto, ficando mais baratas. Com a alta produtividade nas principais regiões produtoras, a boa quantidade das hortaliças para comercialização nas principais Centrais de Abastecimento (Ceasas) do país reduziu o preço de venda.

A pesquisa da Conab considera as cinco hortaliças (batata, cenoura, cebola, tomate e alface) com maior representatividade na comercialização nas principais Ceasas do País e que registram maior destaque no cálculo do índice de inflação oficial (IPCA).

Frutas

No segmento de frutas, o estudo da Conab também considerou os alimentos com maior participação na comercialização e no cálculo da inflação (banana, laranja, maçã, mamão e melancia).

O comportamento dos preços do mamão foi diferente para cada variedade da fruta. O mamão formosa continuou com preços elevados na maioria dos entrepostos atacadistas, por causa da reduzida oferta nas principais regiões produtoras. Já o papaia, em decorrência do calor em parte de setembro e início de outubro, teve amadurecimento precoce, provocando queda nos preços, mas não na média geral.

Com o pico da safra na região de Uruana e Ceres, em Goiás, aumentou a quantidade de melancia comercializada, o que provocou queda de preços em diversas Ceasas, à exceção das maiores centrais do Sudeste, onde foram registradas leves altas. No fim de outubro, a colheita paulista e a baiana começaram a entrar no mercado e devem suprir a demanda brasileira até o fim do ano, somando-se à produção gaúcha.

Assim como em setembro, a laranja apresentou elevação de preços em outubro, agora somada à queda moderada da comercialização na maioria das Ceasas. O aumento das cotações se deve à baixa oferta de laranja pera de boa qualidade, em meio à comercialização de frutas de qualidade inferior, que estavam murchas por causa da seca nas principais regiões produtoras.

A Conab analisa a comercialização realizada nas Ceasas de São Paulo, do Rio de Janeiro, de Vitória, de Belo Horizonte, de Curitiba, de Goiânia, de Fortaleza, de Recife além do Distrito Federal. Juntas, as nove centrais pesquisadas representam cerca de 70% da comercialização dos entrepostos atacadistas do País.

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.