Preços dos animais para reposição enfraquecem, informam consultorias

As baixas foram puxadas pelos machos – houve recuo de 1,5%, considerando a média de todas as categorias e estados pesquisados pela Scot Consultoria

Durante a segunda semana de maio, o mercado brasileiro de reposição registrou um baixo volume de negócios, prevalecendo a tendência de baixa nos preços do bezerro e demais categorias de animais jovens, informaram as consultorias que acompanham diariamente o mercado pecuário.

“O fluxo de negócios no mercado de reposição mostrou grande morosidade ao longo desta semana”, destaca a IHS.

Grande parte dos negócios fechados em leilões espalhados pelo país envolveu a venda de fêmeas que não serão mais utilizadas para reprodução, acrescenta a consultoria.

“Devido à pressão de baixa no mercado do boi gordo, a reposição continua com dificuldade para ganhar ritmo”, observa a Scot Consultoria.

Segundo a IHS Markit, as quedas recentes nos preços da arroba da boiada gorda, além das condições ruins dos pastos em função do clima frio e seco, contribuíram para uma melhora aparente na oferta de lotes de gado magro.

No entanto, a demanda pelas categorias de reposição segue reprimida no País, devido aos altos custos da nutrição, sobretudo do milho.

Neste contexto de elevação da oferta e redução da demanda, a IHS verificou reduções recentes dos patamares de preços da reposição nos Estados de SP, MS, MT, MG, TO, GO, RS e PR.

Segundo a IHS, os produtores preferem comprar novilhas e vacas prenhes, assim como garrotes mais erados.

“Enquanto as vacas são liquidadas nos frigoríficos, evitando maiores custos, as novilhas são utilizadas para cria e recria, visando um giro de caixa mais rápido”, argumenta a consultoria.

Por sua vez, os garrotes são, em sua imensa maioria, enviados para boiteis, onde poderão engordar no confinamento, visando repasse de custo por intermédio de parcerias, informa a IHS.

Segundo levantamento da Scot, na média de todas as regiões e categorias de reposição monitoradas pela consultoria, entre machos e fêmeas anelorados, a queda foi de 1,3% na última semana, frente à semana anterior.

As baixas foram puxadas pelos machos – houve recuo de 1,5%, considerando a média de todas as categorias e estados pesquisados. Já para as fêmeas, a desvalorização foi de 1,1%, segundo os dados da Scot.

Na última semana, os machos mais erados apresentaram a queda mais expressiva, com destaque para as regiões do Paraná e Tocantins, informa a Scot.

O preço do indicador Esalq do bezerro (praças do MS) foi cotado em R$ 3.096,58 (pagamento a prazo) na última quinta-feira (13/5), com desvalorização de 2,3% em relação ao valor registrado há um mês.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Revista DBO | Monta curta acelera produtividade

CONFIRA os destaques da edição de setembro da Revista DBO e o ‘Especial Genética e Reprodução’; na capa, veja como duas fazendas de ciclo completo se tornaram modelo de ‘fábrica ideal de produção de bois’

Revista DBO | Monta curta acelera produtividade

CONFIRA os destaques da edição de setembro da Revista DBO e o ‘Especial Genética e Reprodução’; na capa, veja como duas fazendas de ciclo completo se tornaram modelo de ‘fábrica ideal de produção de bois’

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.