Preferência por soja desloca safra de feijão no Paraná

Segunda safra deve responder pela maior parte da produção após preferência pelo plantio da soja e clima ruim
Foto: Visual Hunt

Algumas mudanças na agricultura brasileira, principalmente no Paraná estão deslocando a curva de oferta de feijão para outro período do ano. Com a crescente necessidade de se produzir cada vez mais soja, esta cultura vem ocupando grandes áreas e tomando espaços antes destinados aos produtos alimentícios. Desta maneira, o cultivo de milho e feijão passou para a segunda safra, ou seja, após a colheita da soja que ocorre durante os meses de janeiro a março.

No Estado, a primeira safra de feijão 2018/19, ocupou uma área de 162 mil hectares e a produção foi de 247 mil toneladas, de acordo com dados do Departamento de Economia Rural do Estado (Deral). Já a segunda safra registrou uma área de 230,5 mil hectares e a produção inicialmente prevista era de 442.000 toneladas. Segundo o Deral, as condições climáticas estavam favoráveis durante a maior parte da primeira safra deste ano, mas o excesso de chuvas durante a colheita afetou as lavouras que ainda ocupavam 30% da área plantada.

“A safra vinha com bons resultados, mas com as chuvas contínuas nas regiões de Francisco Beltrão e Pato Branco há algumas semanas tivemos perda de 18%, totalizando 80 mil toneladas”, explica o economista do Deral, Methodio Groxko.

De acordo com produtores e técnicos dos Núcleos Regionais, as lavouras que estavam prontas para colher e principalmente aquelas dessecadas, sofreram perdas tanto em quantidade como em qualidade. “Atualmente, a colheita já atingiu 96% e o novo levantamento indica uma redução de 18% sobre a produção inicial de 442.000 toneladas. Com a perda de 80.000 toneladas, o Paraná deverá colher aproximadamente 362.000 toneladas de feijão nesta segunda safra”, informa o relatório.

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) prevê que a produção brasileira de feijão da safra 2018/19 deverá alcançar 3,07 milhões de toneladas – redução de 1,4% ante o ciclo anterior, quando foram colhidas 3,12 milhões de toneladas. O maior volume, deste total, é obtido na segunda safra, que neste ano representa 45% da produção. Já a primeira safra, que no passado foi a principal, contribuiu com 32% e, em menor escala, a terceira safra com 23%.

Em relação ao preços, durante a última semana os produtores receberam em média de R$ 119,00 pela saca de 60kg de feijão de cor e R$ 116,00 pela saca de 60 kg para o preto. As notícias de falta de chuvas na Bahia, importante produtor nesta época do ano, poderão influenciar no aquecimento dos preços a partir de agosto ou setembro quando a disponibilidade do produto é menor.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Revista DBO | Monta curta acelera produtividade

CONFIRA os destaques da edição de setembro da Revista DBO e o ‘Especial Genética e Reprodução’; na capa, veja como duas fazendas de ciclo completo se tornaram modelo de ‘fábrica ideal de produção de bois’

Revista DBO | Monta curta acelera produtividade

CONFIRA os destaques da edição de setembro da Revista DBO e o ‘Especial Genética e Reprodução’; na capa, veja como duas fazendas de ciclo completo se tornaram modelo de ‘fábrica ideal de produção de bois’

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.