Prejuízos, pandemia, exportação e menor cultivo e estoques explicam a crise do arroz

Entenda quais fatores estão por trás da guinada de preços ao consumidor

Bastou o pacote de arroz de 5 quilos sair dos tradicionais R$ 15 para cerca de R$ 50, para que inúmeras críticas recaíssem especialmente direcionadas aos produtores rurais nas redes sociais. O fato, porém, é só a ponta do iceberg, pois o encarecimento tem origem em diversos fatores que formaram a “tempestade perfeita” do cereal.

Entre eles estão: baixo cultivo e produção, demanda em alta provocada pela pandemia, endividamento de produtores, corrida exportadora e estoques em baixa. Confira:

1. Cultivo em queda

O Brasil cultivou o grão em 6,6 milhões de hectares na safra 1980/1981, a maior área plantada com o grão. A colheita encerrada no ciclo 2019/2020 foi de 1,7 milhão de hectares. Por outro lado, o aumento de produtividade sustentou as perdas das áreas nos últimos anos. Apesar de o País ter colhido 11,18 milhões de toneladas na safra 2019/2020, 6,68% a mais que no ciclo anterior, a produção parece nem seguir na retomada do recorde de 2010/2011, quando o País colheu 13,6 milhões de toneladas. Foi a maior colheita de arroz já vista no País, segundo o levantamento histórico de 44 anos da Conab.

2. Prejuízos

A rentabilidade com a lavoura nunca foi a das melhores, o que motivou a queda do cultivo. Um estudo do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), de Piracicaba (SP), registrou rentabilidade negativa da safra 2014/15 até 2018/19, tendo como os dois piores momentos as temporadas 2017/18 e 2018/19.

3. Demanda em alta

Depois de alguns anos com consumo em queda no País, além da queda na produção, o arroz teve uma procura acentuada desde o início da pandemia. Segundo a Conab, na safra 2019/2020 o consumo foi de 10,8 milhões de toneladas, 5,08% a mais que na temporada 2018/2019.

4. Exportação

Com a desvalorização do real perante o dólar, o produtor decidiu elevar as exportações. O comércio é estimado em 1,5 milhão de toneladas este ano na safra 2019/2020, volume 10,22% acima da safra 2018/2019.

5. Estoques em baixa

A safra de 2019/2020 deixa um estoques 537,5 mil toneladas de arroz para compor a oferta do clico 2020/2021. O volume é 44,18% menor que o deixado na temporada 2014/2015.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.