Premix apresenta estudo durante congresso nos EUA

Apresentação foi feita pelo diretor de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação, Lauriston Bertelli

A Premix marcou presença em mais uma edição do Congresso Internacional de Ciência Animal, promovido pela Sociedade Americana de Ciência Animal (ASAS).

O evento, realizado entre os dias 26 e 30 de junho, em Oklahoma City, nos Estados Unidos, reuniu centenas de pesquisadores de todo o mundo para discutir os avanços relacionados à saúde animal.

Neste ano, a participação da empresa foi presencial, através do estudo com o título “Avaliação do perfil da população de microrganismos metanogênicos em animais tratados com o aditivo Fator P”, apresentado pelo diretor de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação, Lauriston Bertelli.

Segundo Bertelli, o trabalho traz os resultados dos ensaios de biologia molecular realizados em parceria com a Universidade de Ribeirão Preto (Unaerp), que mostram a redução da população de microrganismos metanogênicos em animais tratados com o aditivo 100% natural Fator P.

O pesquisador explica que o estudo com os animais está sendo conduzido para a avaliação de todo perfil de microrganismos metanogênicos ao longo de um ano de tratamento com o aditivo, ressaltando que, em apenas um mês de experimento, houve redução de 49,2% na média da população desses microrganismos.

Foto: Divulgação

“A importância desse trabalho é validar o aditivo Fator P como um produto capaz de melhorar a saúde intestinal dos animais e aumentar a produtividade do rebanho de maneira sustentável, com menor emissão de gás metano para o meio ambiente”, finaliza Bertelli.

Fonte: Ascom Premix

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.