Medidas do governo Bolsonaro podem prejudicar a agropecuária

Pesquisadoras do IEA apontam impactos em três áreas: segurança alimentar, questão climática e preservação ambiental

As medidas anunciadas pelo governo Bolsonaro nos dois primeiros meses da sua gestão podem impactar negativamente o agronegócio, segundo avaliação realizada do Instituto de Economia Agrícola (IEA) de São Paulo. Em artigo assinado pelas pesquisadoras Katia Nachiluk e Rosana de Oliveira Pithan e Silva, o instituto aponta prejuízos em três áreas principais: segurança alimentar, questão climática e preservação ambiental.

No primeiro caso, as pesquisadoras destacam a extinção do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea)  e a transferência das competências do órgão para o Ministério da Cidadania. “Com isto, este conselho deixou de ser órgão de assessoramento à Presidência da República. A medida ainda altera disposições de 2006, previstas na Lei Orgânica de Segurança Alimentar e Nutricional (Losan), que asseguravam o direito humano à alimentação adequada”, observam as pesquisadoras.

Entre as razões apontadas para a extinção do órgão apontadas por Nachiluk  e Silva está a inclusão, entre os temas de discussão do Consea, assuntos como “transgênicos, programas de transferência de renda e agricultura urbana”. “Estas novas pautas podem ter relação com o fim do Consea, pois o debate sobre alimentos transgênicos e liberação do uso de alguns agrotóxicos vai contra interesses de alguns setores rurais”, explicam.

Outra política apontada pelo IEA com potencial impacto sobre a agropecuária brasileira foi a redução do status da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário, que era da Casa Civil. A pasta teve suas atribuições de  coordenação, normatização e supervisão do processo de regularização fundiária de áreas rurais na Amazônia Legal direcionadas ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e as demais ao Ministério da Agricultura (Mapa).

“A transferência da Secretaria de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário para o Mapa é indício de que o novo governo tirou o setor das prioridades. Isso poderá trazer consequências negativas para as políticas públicas aos produtores familiares”, apontam as pesquisadoras. Entre os prejuízos, estão a possível diminuição dos recursos do Pronaf, impactos no Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e alterações nas propostas do Plano de Safra da Agricultura Familiar.

Do ponto de vista climático, “um dos maiores riscos é perder mercados importantes, que restringem a compra de produtos agrícolas que não sejam produzidos com responsabilidade ambiental e sustentabilidade”, avalia o artigo. O IEA destaca, entre as medidas já anunciadas pelo governo, a decisão do Brasil de não sediar mais a Conferência das Partes da Convenção do Clima das Nações Unidas (COP-25), cogitando, inclusive, deixar o acordo.

Na visão das pesquisadoras, “a extinção do CONSEA, as alterações na Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário, e a decisão de não sediar a COP-25 alteram o caminho traçado pela política nacional até o momento”. “O país carece de medidas que continuem a contribuir positivamente com estes eixos para não haver impacto na economia brasileira. Resta saber como será o desenho final destas políticas para ter um quadro real de como afetarão o setor agrícola”, concluem Nachiluk  e Silva.

Veja o artigo completo aqui

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print

Notícias relacionadas:

[banner-link-364-x-134-home-geral1]

[banner-link-364-x-134-home-geral2]

[banner-link-364-x-134-home-geral3]

TV DBO

A DBO Editores Associados, fundada em junho de 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. O Portal DBO é uma plataforma digital com as principais notícias e conteúdo técnico dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Todos direitos reservados @ 2019 | Rua Dona Germaine Burchard, 229 | Bairro de Perdizes, São Paulo-SP

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!
×
×

Carrinho

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura: