[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Problemas com o milho para silagem. Que fazer?

Neste ano, a seca e as geadas prejudicaram a lavoura, mas os produtores usaram de criatividade para minimizar perdas

Milharal atingido pela geada: perda de produtividade e necessidade de ação corretiva.

Por Moacir José

Responsável por providenciar a compra anual de 12.000 toneladas de silagem de milho, para alimentar as 1.200 cabeças de gado Nelore de elite do Rancho da Matinha, de Uberaba (MG), o zootecnista Daniel Bizinotto de Freitas deparou-se, em 2021, com a falta do produto. A drástica redução no volume de chuvas no Triângulo Mineiro, além de outras regiões do Estado, e, depois, a incidência de quatro geadas no meio do inverno (junho-julho) fizeram com que a oferta do volumoso se reduzisse drasticamente. “Alguns fornecedores habituais não conseguiram entregar o produto”, conta ele.

Situações como as vividas neste ano levam à seguinte pergunta: “o que fazer quando se é obrigado a colher o milho “castigado” e fora do ponto ideal?”

Freitas virou-se do jeito que pôde e uma das saídas foi comprar a produção de alguns vizinhos que haviam plantado milho com o intuito de vender o grão no mercado, mas acabaram desistindo. Em uma das propriedades, a área de 310 ha foi gerenciada pelo zootecnista do Rancho da Matinha, que terceirizou a colheita, com as plantas já comprometidas.

“A deficiência hídrica deixou o milharal com 60% da altura normal, o desenvolvimento da espiga ‘travou’ e eu tive de colher o material ainda verde, com uns 28% de teor de matéria seca, quando o ponto ideal seria mais adiante, com 33% de MS”, conta.

Ele explica que não podia esperar o ponto ideal, sob pena de perder umas 3 t/ha de volumoso. “Consegui colher 15 t/ha, quando uma silagem normal renderia o dobro. Os grãos já estavam murchando e eu não conseguiria ter mais amido concentrado ali, que é o que importa na silagem”, justifica. Para dar dimensão da perda em grãos, ele calcula que o vizinho colheria apenas 35 sacas/ha, quando o normal seriam 90 sacas.

Quanto à umidade alta da silagem, Freitas diz que preferiu não acrescentar nenhum material para incrementar o teor de matéria seca (bagaço de cana ou feno seriam as opções) e, sim, acertar a proporção do volumoso na dieta, uma vez que, segundo ele, é normal o aumento do consumo nesses casos.

Outra providência foi aumentar o tamanho da fibra, de 18 mm para 22 mm. “Essa medida foi tomada para garantir uma boa ruminação por parte dos animais, além de beneficiar a compactação”, diz ele, que usou inoculantes para melhorar o processo de fermentação e dar estabilidade para a silagem.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

This post is only available to members.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print
2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.