Produção de café na safra 2020 deve atingir 61,6 milhões de sacas

Segundo a Conab, será a segunda maior safra brasileira de todos os tempos, atrás apenas da colheita de 2018
Foto: Divulgação

O Brasil deve colher 61,62 milhões de sacas de 60 kg de café beneficiadas, considerando-se os tipos arábica e conilon (robusta), o que corresponde a um aumento de 25% em relação ao ano passado (49,31 milhões de sacas). Será a segunda maior safra brasileira de todos os tempos, atrás apenas da colheita de 2018, quando a produção total alcançou 61,66 milhões. Os números fazem parte do terceiro levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgado nesta terça-feira (22/9).

Conforme a Conab, o aumento na produção “decorre do avanço na produção do café arábica em virtude da bienalidade positiva, que resultou no incremento de produtividade nas principais regiões produtoras. Enquanto em 2019 o rendimento nacional foi estimado em 27,2 sacas/hectare; para esta temporada, o resultado do atual levantamento está apontado um rendimento de 32,7 sacas/ha, representando uma evolução de 20,2%”.

“A erradicação de áreas pouco produtivas é apontada como uma das razões para o rendimento apresentar-se maior. Outros fatores, como o investimento em tecnologias, e mesmo as questões climáticas favoráveis atingindo as lavouras de uma maneira geral, constituem os demais fatores para explicar a melhora no desempenho geral”, acrescenta a Conab.

A área total (em formação e em produção) está estimada em 2,16 milhões de hectares, aumento de 1,4% ante o ano passado (2,13 milhões de hectares). Conforme a Conab, a safra 2020 está na etapa final, com mais de 90% da produção já colhida. A consolidação dos dados será feita pela estatal em dezembro, na divulgação do 4º e último levantamento da safra 2020.

O grande destaque desta safra é o café arábica, que tem produção estimada em 47,4 milhões de sacas, crescimento de 38,1% sobre o ano passado (34,3 milhões de sacas) e se aproximando do recorde de 47,5 milhões de sacas alcançado na bienalidade positiva anterior (2018). Neste ano, o clima foi favorável nas fases de floração e frutificação, diz a Conab.

Já a produção de café conilon enfrentou condições climáticas desfavoráveis no Espírito Santo, durante a fase de floração da cultura, provocando impacto negativo no potencial produtivo dessas lavouras, que levaram à queda de 5,1% na produção nacional, de 15,01 milhões de sacas para 14,25 milhões de sacas.

Minas Gerais, maior produtor do País, deve colher 33,5 milhões de sacas, 36,3% a mais que no ano passado, sendo 99,1% de arábica e 0,9% de conilon. Para o Espírito Santo, maior produtor nacional de conilon, a estimativa é de 13,6 milhões de sacas, com aumento de 49,1% para o café arábica (4,5 milhões de sacas) e queda de 13% para o conilon (9,1 milhões de sacas). São Paulo deve colher 6,2 milhões de sacas de arábica e a Bahia, 4,1 milhões, com o aumento de área em produção, áreas irrigadas e clima mais favorável.

Nos outros Estados, como Rondônia, a previsão é de 2,4 milhões de sacas de conilon, enquanto no Paraná, de 937,6 mil sacas de arábica. Das lavouras do Rio de Janeiro devem sair 346 mil sacas de arábica; de Goiás, 240,5 mil sacas também de arábica e, de Mato Grosso, 158,4 mil sacas de conilon.

Segundo a Conab, o cenário de preços elevados motivou o produtor a vender boa parte da safra antecipadamente. A comercialização da safra 2020/21 (julho a junho) está por volta de 60%. No mesmo período do ano passado, havia sido vendida 47% da safra esperada, parcela semelhante à média dos últimos cinco anos para este período, que é de 45%.

“Com a safra volumosa e a colheita acelerada pelo clima firme, tem havido pressão acima do normal nos canais de escoamento do produto, o que já se reflete em queda de preços”, informa a Conab.

A estatal explica que o 2º Levantamento deveria ter ocorrido em abril quando, normalmente, menos de 20% da produção estaria colhida. Com as medidas de restrição em virtude da pandemia de Covid-19, a Conab adequou as rotinas e suspendeu viagens, contatos presenciais, visitas e medições nas lavouras naquele período. Por isso, houve o cancelamento do segundo levantamento.

Com a retomada das visitas a campo em julho, atendendo a todas as medidas de segurança recomendadas pelas áreas de saúde, o levantamento atual traz dados e informações sobre as condições das lavouras, os aspectos climáticos e os seus efeitos sobre a produção, bem como os desafios enfrentados pelo setor no cenário de pandemia.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura:

Cadastre-se e receba nossas notícias

Todos os dias no seu e-mail melhor conteúdo do agronegócio. 

Quais newsletter você gostaria de receber?
Notícias diárias (resumo do dia)Jornal de Leilões (semanal)