[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Produção sustentável é o que importa

Em conversa com Carolina Rodrigues, o pesquisador Bruno Pedreira, da Embrapa Silvipastoril, fala dos sistemas de integração como o caminho para produzir mais com menos, sem necessidade de desmatar mais nada

“Hoje, sabemos muito mais sobre o potencial e as limitações da ILPF” – Bruno Pedreira, pesquisador da Embrapa Agrossilvipastoril

Por Carolina Rodrigues

O tom entusiasmado com que fala sobre os sistemas de produção integrados não deixa dúvida: Bruno Pedreira é um pesquisador nato. Em novembro, ele comemora 10 anos de Embrapa Agrossilvipastoril, em Sinop, MT, onde tem atuado em pesquisas e extensão, com foco no desenvolvimento de tecnologias que contribuam para a melhoria destes sistemas, com ênfase na integração lavoura-pecuária-floresta, a famosa ILPF.

Baiano, de família de pecuaristas, Pedreira sempre olhou para as ciências agrárias sob a ótica do produtor. Cursou agronomia na Universidade Federal de Lavras, MG, tornando-se mestre, doutor e pós-doutor em Ciência Animal e Pastagens pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da Universidade de São Paulo, sob orientação de dois grandes nomes da forragicultura brasileira: Carlos Guilherme Silveira Pedreira e Moacyr Corsi.

Lá aprendeu um conceito que levou para a vida profissional: o pasto é a base de qualquer bom sistema de produção. E garante que foram justamente as experiências adquiridas ao longo dos sete anos na Esalq/USP que lhe deram “passaporte” para a Embrapa MT, onde ingressou com apenas 29 anos de idade. “É o que qualquer um na minha posição teria pedido a Deus naquela idade. Mato Grosso é um gigante em tamanho, potencial produtivo e rebanho. Tudo aqui é mega. Inclusive as possibilidades”, diz Pedreira, que hoje é também professor do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia na Universidade Federal de Mato Grosso (Campus Sinop), onde leciona e orienta estudantes nas áreas de Forragicultura e Sistemas Integrados.

Na Embrapa, ele coordenou 19 projetos de pesquisa e validação em sistemas de ILPF nestes 10 anos e não tem dúvida de que essa tecnologia levará a pecuária brasileira a um novo patamar de produtividade. Dos 17 milhões de hectares de sistemas ILPF estabelecidos no Brasil existem hoje, segundo a Embrapa, 7 milhões de ha de pecuária produzindo de três a cinco vezes mais do que antes. “Isso significa que para produzir a mesma quantidade de carne destes 7 milhões, o pecuarista precisaria de 21 a 25 milhões de hectares de pastagem tradicional para fazer. Isso é sustentabilidade pura”, conceitua Pedreira.

Nesta entrevista, concedida, por telefone, à repórter Carolina Rodrigues, ele estratifica os números da Embrapa, desvenda o conceito da integração e, de quebra, sentencia: “O entendimento de que a pecuária é um negócio tão bom quanto à lavoura é urgente”. Confira!

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print

Veja também: