Menu
Menu

Produtividade na pecuária se divide em azul e vermelho

Atividade está se aproximando da realidade da agricultura e será intolerante com a baixa tecnologia
Foto: Rally da Pecuária.

A produtividade média da pecuária tem aumentado, mas com diferenças importantes nas pontas mais e menos produtivas. É o que mostra dados do Rally da Pecuária 2018. Na média, a produtividade evoluiu 17,1% nos últimos cinco anos entre o perfil de público da expedição, porém, do lado menos produtivo (que engloba os 25% de produtores com os menores níveis) houve recuo de 16,8%, enquanto no mais eficiente a alta foi de 26%. “Essa última faixa está se adaptando às exigências do mercado moderno, fazendo intensificação da produção, enquanto as outras estão ficando para trás”, afirma Maurício Palma Nogueira, sócio-diretor da Athenagro, que organiza o Rally.

Para ele, com o processo de intensificação, a pecuária está caminhando para maiores níveis de produção e eficiência e os preços tendem a se adaptar a essa maior oferta, excluindo os pecuaristas menos produtivos da atividade. “A pecuária está se aproximando da realidade da agricultura e vai passar a ser intolerante com a baixa tecnologia”. De acordo com Nogueira, o ponto de equilíbrio (em que despesas e receitas se igualam) do grupo mais produtivo, considerando a projeção para o mercado até o fim de 2018, gira em torno de R$ 100, R$ 105/@, enquanto o dos menos produtivos fica perto de R$ 130. “A partir do momento em que o mercado aperta, os mais produtivos produzem mais, os preços se ajustam a eles e os outros estarão fora da curva”.

O desafio para os produtores, segundo Nogueira, é o de se adaptar a um nível de produtividade mais alto. “Não adianta tentar frear o processo tecnológico”, reforça. Em relação a políticas públicas, ele acredita que o que é possível fazer no momento é ampliar os mercados externos e internos para a carne bovina, facilitar a chegada dela ao consumidor e alcançar os produtores menos tecnológicos, o que Nogueira afirma ser bastante custoso. “Isso pode dar tempo para esses pecuaristas se ajustarem à alta tecnologia. Mas, se pegar o Censo, para cada ‘produtor médio’ do Rally, temos quatro que conseguiríamos trazer para o jogo, transformá-los em competitivos, mas precisaríamos de muitos recursos para me comunicar com ele, e mais ou menos de 8 a 12 que não vão conseguir acompanhar a atividade”.

Entre as razões para a baixa adoção de tecnologia, Nogueira cita a falta de conhecimento e problemas de gestão. “Muitos decidem que a tecnologia não é boa, porque fazem a conta do custo. Pensam ‘ah, se eu adubar, meu custo vai ser alto’. Mas não olham para a receita”. Fábio Dias, diretor de Relacionamento com o Pecuarista da JBS, concorda que a gestão é um gargalo importante. “Ao não ter gestão nenhuma, os pecuaristas muitas vezes não conseguem nem perceber onde estão. E você precisa de uma boa gestão para aplicar tecnologia”.

Para Carlos Aguiar, diretor de Agronegócios do Santander, está claro nas modelagens de rentabilidade do banco que “existe uma turma que não vai chegar lá”. “A tecnologia está atropelando muita gente. Não tem condição de manter o boi a pasto e só dar um pouquinho de sal para ele. Não existe rentabilidade nem para a sustentação da pessoa muito menos para pagar empréstimo nesse nível tecnológico. O que fazemos no Rally com palestras, orientações, é o melhor que podemos fazer para o pecuarista”.

Concentração

De acordo com dados do Rally, que recebeu respostas de 649 produtores, as propriedades com produtividade acima de [email protected]/ha/ano representam 11% do total (veja gráfico abaixo), mas vendem 60% das arrobas da amostra. Na outra ponta, as unidades com níveis abaixo de [email protected]/ha/ano correspondem a 39% do número de fazendas, porém comercializam apenas 9% das arrobas. “Em Aquidauana, MS, um produtor veio e disse: ‘eu não vejo esses pecuaristas mais tecnificados comprando fazendas’. E eu perguntei: mas você vê ele tendo um rebanho maior e vendendo mais? ‘Isso eu percebo’. E esse é o raciocínio. Esse grupo mais produtivo está concentrando vendas, mas logo vai concentrar terras também. A situação de mercado vai ficar mais favorável para ele do que para quem não tem tecnologia e ele vai encarar crédito, vai começar a agregar terras”, diz Nogueira.

Tecnologias

O Rally da Pecuária 2018 também compilou a taxa de adoção de tecnologias por nível de produtividade das propriedades. Nas fazendas com taxa acima de [email protected]/ha/ano, o uso de dietas sofisticadas, que resultam em maior ganho de peso, é de 100%. Já na faixa até [email protected]/ha/ano, o nível fica em 54%.

Já a porcentagem de pastagens com aplicação de fertilizantes em superfície e/ou integração lavoura-pecuária (ILP) nas propriedades com produtividade de mais de [email protected]/ha/ano é de 90%, enquanto na outra ponta o valor é de 13%. “O gargalo da pecuária é esse. Não tem como conduzir uma fazenda de alto desempenho tratando pasto como sempre tratamos na pecuária brasileira. Ou trata como agricultura ou não tem pecuária de alto desempenho”.

O uso de crédito também cresce conforme aumenta o pacote tecnológico, mas as maiores porcentagens se concentram nas faixas de 9 a [email protected]/ha/ano. “Sempre vem a pergunta de se a pecuária paga crédito. Se ela dá mais lucro no mesmo nível de tecnologia que a agricultura, claro que paga crédito. Inclusive tem fazenda com mais liquidez, porque na de alta tecnologia você pode fazer dinheiro a qualquer momento com o rebanho disponível. Na agricultura tem o ciclo de plantio-colheita. O risco da pecuária é menor”, afirma Nogueira. De acordo com ele, uma propriedade de ciclo completo com produtividade acima de [email protected]/ha/ano já começa a ser competitiva em termos financeiros com uma fazenda de soja e milho.

Você pode baixar a apresentação com os dados completos neste link.

Fonte: Portal DBO.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on tumblr
Tumblr
Share on print
Print

Veja também:

SOBRE A MÍDIA DBO

A DBO Editores Associados, fundada em junho de 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. O Portal DBO é uma plataforma digital com as principais notícias e conteúdo técnico dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da cobertura dos leilões de todo o Brasil.

ANUNCIE DBO

Acompanhe aqui o vídeo da edição mais recente da Revista DBO. Para ver os destaques das outras edições, basta clicar aqui.

ASSINE A REVISTA DBO

Revista DBO Ligue grátis: 0800 110618 (Segunda a sexta, das 08h00 às 18h00)

2018 DBO - Todos os direitos reservados

×
×

Carrinho