Produtores dos EUA se opõem a abertura do país à carne brasileira

Em comunicado, associação americana de criadores cita a operação carne fraca e diz que rebanho americano está em risco
Foto: ANPR

 

A Associação de Criadores de gado dos EUA (USCA) divulgou comunicado se opondo “fortemente” à possibilidade de retomada de compra de carne bovina in natura brasileira por parte dos americanos. Na nota, a associação rotula o Brasil como “mau ator no mercado global” e “país marcado por escândalos” envolvendo a sanidade animal, o que colocaria em risco a saúde do rebanho americano.

+EUA inspecionarão frigoríficos brasileiros em junho deste ano
+EUA anunciam missão para avaliar reabertura à carne brasileira
+Auditores fiscais afirmam que EUA encontrarão “país livre da febre aftosa”

A nota lembra que entre os dias 15 de maio e 2 de junho de 2017 (enquanto vigorou a breve abertura do mercado americano), mais de 861,3 milhões de toneladas em carne bovina do Brasil foram rejeitadas nas fronteiras americanas devido a “preocupações com a saúde pública, condições sanitárias e problemas de saúde animal” apontadas pelo serviço de inspeção e segurança alimentar do departamento de agricultura dos EUA (USDA).

A associação declara que o Brasil falhou em várias categorias em relação ao seu comércio com os EUA, incluindo: supervisão; autoridade estatutária, segurança alimentar e regulamentos adicionais de proteção ao consumidor; saneamento; análise de perigos e pontos críticos de controle; programas de testes de resíduos químicos e programas de testes microbiológicos

Entre os problemas, a USCA aponta que foram descobertos coágulos sanguíneos, lascas de ossos e abscessos em carne bovina importada do Brasil, o que “demonstra que os esforços de mitigação atualmente em vigor não são adequados para manter os produtos que podem transmitir a febre aftosa fora dos EUA”.

Risco

Os pecuaristas americanos mostraram-se preocupados também com o risco de um surto de febre aftosa nos EUA após a abertura do mercado, o que implicaria perdas econômicas avaliadas em US$ 14 bilhões devido a interrupções das exportações e a mudança de status na Organização Mundial da Saúde Animal (OIE)”. A Associação lembra da Operação Carne Fraca em 2017 – investigação que revelou esquema de suborno entre indústria e fiscais agropecuários para autorizações sanitárias.

O comunicado também menciona o pedido apresentado pela Abiec para alteração nas instruções de inspeção de importação da Diretriz FSIS 9900.1 e consequente eliminação do “estanho solto” da lista de condições identificadas como defeitos de contêineres. Na percepção da USCA, a petição é um exemplo de como o Brasil tenta contornar as regras e regulamentos americanos de segurança alimentar.

“Nós pedimos ao presidente Donald J. Trump e ao secretário Sonny Perdue que considerem fortemente as preocupações aqui delineadas para proteger a saúde do rebanho bovino dos EUA e garantir que a proteína favorita dos Estados Unidos continue sendo abundante”, finaliza o comunicado da Associação datado em 19 de março.

Posição Brasileira

Em nota, o Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical) afirmou hoje que a delegação americana deve encontrar “um cenário em que o Brasil está livre da febre aftosa em todo o país, com a proibição da saponina nas vacinas. A instituição, contudo, reconhece que o Brasil ainda enfrenta dificuldades para reconstruir sua reputação junto ao mercado internacional após a Operação Carne Fraca.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.