Produtores descartam queda no preço do arroz mesmo com a colheita da próxima safra

Motivos, segundo a Federação das Associações de Arrozeiros do RS, são equilíbrio entre oferta e demanda e o alto interesse das indústrias
Foto: Reprodução/Internet

A Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) descartou a possibilidade de os preços diminuírem com a colheita da safra 2020/2021, a partir de fevereiro.

O motivo, segundo a entidade, é o equilíbrio entre oferta e demanda e “o alto interesse de algumas indústrias em garantir produto no próximo período”.

Conforme o indicador Cepea/Esalq, a saca de 50 quilos do arroz estava em R$ 106,04 na quarta-feira (14/10) – recuo de 0,28% no dia, mas alta de 1,68% em um mês.

Outro ponto citado pela Federarroz para justificar a alta nos preços é a estabilidade na área de produção de arroz no Rio Grande do Sul – maior produtor do país. Segundo o Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), a safra deve ficar próxima de 969,92 mil hectares.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura:

Cadastre-se e receba nossas notícias

Todos os dias no seu e-mail melhor conteúdo do agronegócio. 

Quais newsletter você gostaria de receber?
Notícias diárias (resumo do dia)Jornal de Leilões (semanal)