[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Sabor da Carne: Puchero, caldeirão cultural no prato do pantaneiro

Prato típico da culinária espanhola, o puchero foi adotado pelos países colonizados pela Espanha e também faz parte das deliciosas iguarias pantaneiras

Influência da culinária boliviana, a pera cozida dá leveza à receita.

Por Paulo Machado – Chef baseado em Campo Grande, MS, é pesquisador das expedições gastronômicas FoodSafaris

As raízes da cozinha pantaneira contêm influências encantadoras de países vizinhos, como o Paraguai e a Bolívia, mas também do Rio Grande do Sul, Minas Gerais, São Paulo e Estados do Nordeste. Do oriental ao árabe, todos que se aventuraram por esses rincões ajudaram a compor o caldeirão de culturas e comidas que se fundem na gastronomia do Pantanal. A carne vermelha bovina – acompanhada diariamente de feijão, arroz, farinha e mandioca – é parte integrante da refeição típica do pantaneiro, ainda que o peixe seja outra importante fonte proteica por ele consumida.

Um tantinho de legumes e de frutas nativas em compota ou em calda complementam uma gastronomia aparentemente de poucos ingredientes, mas que guarda modos de fazer únicos e combinações múltiplas. O Pantanal é historicamente povoado por famílias de fazendeiros, de modo que as comidas mantêm vivas técnicas seculares na elaboração de assados, guisados, ensopados e doces de compota. Um dos momentos mais aguardados nas fazendas é o da carneada, pois é do abate de um bovino que se obtém muito alimento para os dias seguintes e de onde se originam vários pratos.

O ritual da carneada

O tempo todo regado por jatos d’água de uma mangueira, o ritual completo da carneada dura pouco mais de duas horas, mas é nesse intervalo de tempo que o carneador mostra toda a sua habilidade em separar todas as porções de carne que serão usadas nas futuras refeições. É o tempo necessário para transformar a vaca em alimento, a pecuária em gastronomia, a natureza em cultura.

Dentre essas porções, está o espinhaço, ou seja, a coluna dorsal do bovino. A carne encontrada nos ossos das vértebras, majoritariamente a costela (mas não somente ela), é extremamente saborosa. No caso do Pantanal, os cortes separados pelo carneador são um pouco diferentes daqueles normalmente encontrados nos frigoríficos. Mas isso é irrelevante diante do resultado do prato que se prepara com eles: o puchero pantaneiro.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

This post is only available to members.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print
2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.