Menu
Menu

Quando o bezerro é de ouro, garimpo é palavra de ordem!

É preciso se nortear menos pelo preço e mais pelo percentual de vacas no rebanho e a produção de crias/ha, diz Moacyr Corsi


*Artigo de Moacyr Corsi, professor da Esalq/Usp, publicado na edição de março da Revista DBO. Colaboradores: Laís Arruda e João Pedro De Cesare Thieme, agrônomos  formados pela Esalq/USP.

Os criadores estão perdendo uma oportunidade de ouro. Enquanto batem suas bateias [utensílio para garimpar] quase vazias, do outro lado do rio o restante da cadeia produtiva necessita de mais produtos para seguir viagem. Em outras palavras, há pouca oferta de bezerros, mas a demanda cresce rapidamente, devido à maior eficiência nos segmentos de recria/engorda. Esse fenômeno é confirmado pela diminuição na idade de abate dos animais, que passou rapidamente de 36 para 30 meses como mostra o gráfico abaixo, gerando uma procura cada vez mais rápida por bezerros. Para os criadores, esse fato é positivo, devido à possibilidade de aumento na receita por produto, mas os recriadores/terminadores têm de lidar com ágios cada vez maiores no mercado de reposição e isso acaba travando sua atividade, que, apesar de ser mais eficiente, depende da relação bezerro/boi gordo.

A expectativa de maiores preços, contudo, não deveria nortear sozinha as decisões dos criadores. Para entender melhor essa afirmação, é preciso analisar a produtividade do sistema de cria, que não tem conseguido garimpar bem seu ouro (bezerros). Os índices zootécnicos comumente encontrados nas propriedades brasileiras são: 75% de prenhez, 15% de mortalidade de bezerros (do diagnóstico de gestação até a desmama), intervalo entre partos de 16 meses e lotação média de 1 UA/ha. Em relação a este último índice, quando analisamos a composição do rebanho e a participação de cada categoria na lotação, constatamos que a quantidade de animais que geram produtos (matrizes) é inferior a 1 cabeça/ha. Ou seja, fazendas com lotação de 1 UA possuem menos de 1 vaca/ha, pois além delas estão presentes na área outras categorias como bezerros mamando, garrotes, novilhas (que, em sistemas tradicionais, iniciam vida reprodutiva aos 36 meses) e touros.

Neste cenário – fazendas de cria com lotação de 1 UA/ha –, as matrizes representam cerca de 46% do rebanho e a produtividade é de 0,22 bezerro nascido/ha, com base na equação: 1 UA/ha x 46% de vacas no rebanho x 75% de prenhez x 85% de sobrevivência x 0,75 (16/12 meses de intervalo entre partos) = 0,22 bezerros/ha. Esse baixo patamar de produtividade se reflete nos resultados econômicos da cria. Com o bezerro a R$ 1.200, a produção de 0,22 bezerro/ano gera receita de apenas R$ 264/ha.

Quando se desconta o custo de produção, pouco sobra para o criador. Se o preço do produto chegasse a R$ 2.000/cab e o criador continuasse vendendo 0,22 cab/ha, sua renda subiria para R$ 440/ha, mas esse valor, depois de deduzidos os custos de produção, continuaria sendo menos interessante do que outras alternativas de uso do solo e tiraria o produtor de sua atividade, obrigando-o a buscar alternativas para aumentar sua produção. Os esforços mais frequentes e bem sucedidos para melhorar a produtividade na cria têm sido nas áreas reprodutiva e sanitária. Quando elevamos a taxa de prenhez de 75% para 90% e a de sobrevivência de 85% para 95%, nossa produtividade aumenta 30%, passando de 0,22 para 0,29 bezerro/ha. É possível, contudo, obter esse mesmo nível de incremento nos índices alterando-se a participação de vacas no rebanho de 46% para 60% ou aumentando a taxa de lotação de 1 para 1,3 UA/ha, mas isso exige mudanças conceituais. Mesmo sem adubação, apenas ajustando o manejo das pastagens, o criador pode alojar 1,3 UA/ha nas águas, desde que faça planejamento alimentar na seca (diferimento de pastos, conservação de forragens, suplementação com proteinado, ração etc).

Desatenções em relação à nutrição na cria podem prejudicar o desempenho de animais geneticamente superiores. Evidências disso estão nas conversas dos próprios pecuaristas. É comum ouvir eles dizerem: “o animal era bom de genética, mas virou tucura na recria”; “meus bezerros não ficaram melhores com o touro que comprei no leilão”. Além da nutrição, pouca atenção se dá também à precocidade genética das fêmeas, de forma a encurtar sua recria e agilizar sua introdução no grupo de matrizes, o que mais uma vez exige bom manejo de pastagens.

Concluindo: o criador deve prestar mais atenção na quantidade de vacas/ha do que na taxa de lotação geral. Para ter mais vacas, precisa “garimpar” tecnologias que integrem genética, sanidade, nutrição e gestão, de forma a melhorar a rentabilidade da cria a pasto.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on tumblr
Tumblr
Share on print
Print

Veja também:

Invista no básico bem feito

Pecuaristas, mesmo tecnificados, ainda pecam no manejo por não fazer planejamento, estabelecer metas e criar calendário de ações.

Café com frio

Especialista dá dicas de como evitar problemas com o frio no cafezal, cultura que gosta de “cabeça quente e pés frios”

SOBRE A MÍDIA DBO

A DBO Editores Associados, fundada em junho de 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. O Portal DBO é uma plataforma digital com as principais notícias e conteúdo técnico dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da cobertura dos leilões de todo o Brasil.

ANUNCIE DBO

Acompanhe aqui o vídeo da edição mais recente da Revista DBO. Para ver os destaques das outras edições, basta clicar aqui.

ASSINE A REVISTA DBO

Revista DBO Ligue grátis: 0800 110618 (Segunda a sexta, das 08h00 às 18h00)

2018 DBO - Todos os direitos reservados

×
×

Carrinho