Queda de preços de fertilizantes melhora relação de troca em Mato Grosso

Manutenção da pastagem fica mais barata e reduz dependência de alimentos concentrados, como o milho

O mês de outubro em Mato Grosso foi marcado pelo volume de chuva mais intenso e abriu a janela ideal para a manutenção de pastagem, principal alimento do rebanho leiteiro. Esta é a conclusão da análise mensal do setor feita pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).

Continue a leitura após o anúncio

Neste sentido, prossegue o instituto, ao analisar os preços dos insumos comumente utilizados para este fim, entre eles, fertilizantes e herbicidas, verifica-se que houve redução nas cotações em out/19 em relação a set/19, em média de 5,41% e 1,28%, respectivamente, em termos reais.

Além disso, observa o Imea, a ureia registrou o seu menor valor do ano em out/19 – média de R$ 1.734,94/t -, o que melhorou sua relação de troca com o leite em momento oportuno para os trabalhos a campo. Desta forma, como o pasto é o alimento mais barato da dieta animal, sua manutenção é importante para manter a produção com custos enxutos. Ademais, uma pastagem bem manejada reduz a dependência de insumos concentrados, como o milho, que tende a se manter valorizado devido, entre outros fatores, à demanda aquecida das usinas de etanol em MT.

Ainda segundo o Imea, o preço do leite pago ao produtor mato-grossense apresentou queda de 0,83%, sendo cotado a R$ 1,09/l, reflexo do aumento na captação. A pressão sobre o preço só não foi maior porque a oferta ainda se encontra menor que a do mesmo período de 2018.

A relação de troca do leite com a saca de milho fechou o mês em alta de 5,29%. Com isto, o pecuarista precisou vender 24,32 litros de leite para comprar uma saca de milho.

Sazonalidade: Com a regularidade das chuvas em Mato Grosso no mês de out/19, foi dada a largada da safra leiteira no estado. A captação de leite pelas indústrias em MT subiu expressivos 29,6% em out/19 perante set/19, sendo o segundo maior aumento para o período. Isto está atrelado ao volume substancial de chuvas de out/19, que, após uma seca severa neste ano, retornaram melhorando as pastagens e aumentaram a oferta de forragem para o rebanho.

Além do mais, o aumento vertiginoso na oferta no início da safra evidencia o que foi apontado pelo Imea em um estudo recente, de que a sazonalidade na produção mato-grossense é a maior dentre os principais estados produtores, por causa da alta dependência do pasto e da baixa inserção tecnológica. Portanto, com a retomada da oferta, a tendência é de que as cotações fiquem pressionadas, o que tem deixado os agentes receosos, dado que boa parte dos lácteos estão com preços menores do que foram vistos em 2018.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO