Queda no preço do milho deve elevar confinamento em até 7%

Segundo o analista da FNP, confinamento só não será maior por conta da alta nos custos de reposição

A boa relação de troca do boi gordo com o milho este ano deve favorecer o aumento do confinamento, avalia Vitor Belasco, analista de grãos da FNP. A previsão da consultoria é de um crescimento de 4% a 7% no confinamento diante da redução nos custos com alimentação.

Continue a leitura após o anúncio

“A relação de troca com o quilo do milho, está de 7 pra 1, talvez o melhor nível desde janeiro de 2018. E os dispêndios que o produtor tem com nutrição animal caíram também”, explica Belasco.

+Brasil caminha para sua segunda melhor safra de milho em 2018/19
+Exportações de boi em pé ajudam a sustentar preços de reposição
+Efeitos da peste suína na China começam a ser sentidos no Brasil

Segundo o analista, o avanço só não será maior por conta da alta nos custos de reposição enfrentados pelo pecuarista este ano. No acumulado de abril, o indicador Esalq/BM&FBovespa para o bezerro nelore no Mato Grosso do Sul teve alta mensal de 3,28% e valorização de 8,67% ante igual mês do ano passado.

“O custo de reposição, que representa cerca de 65% dos custos totais para o pecuarista, ainda está elevado porque no ano passado houve um ajuste na cadeia, com um maior abate de matrizes. Com isso, a cadeia está passando por um processo de aperto”, explica.

Segundo Belasco, as boas condições climáticas e a consequente perspectiva de uma maior produção de milho safrinha este ano tendem a derrubar ainda mais as cotações do grão nos próximos meses, o que alimenta as expectativas com confinamento.

“Se conformada aí uma produção que nós esperamos entre 94 e 95 milhões de toneladas de milho no ano, os preços tendem a arrefecer ainda mais”, observa o analista. Em abril, o indicador Esalq/BM&FBovespa para o milho em Campinas (SP) acumulou queda de 12,5%, segundo o Cepea.

Com isso, Belasco ressalta que, entre os pecuaristas que não possuem restrições orçamentárias, “esse é o momento para voltar a ter boas margens”. Com isso, a tendência é de que produtores integrados se beneficiem mais rapidamente com o novo cenário, enquanto os independentes podem levar mais tempo para se recuperar.

“As robustas aquisições da Rússia e a manutenção das aquisições da China, principalmente esse ano em que o país sofre com a febre suína africana, tendem a deixar o cenário mais favorável para o produtor”, conclui o analista da FNP.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.