Raça Brangus cresce 94% na venda de sêmen no Brasil

Segundo dados da Associação Brasileira de Inseminação Artificial (ASBIA), a alta ocorreu entre os anos de 2018 e 2022

Um terço de sangue zebu e dois terços de britânico, a raça Brangus vem crescendo ano após ano no Brasil.

Segundo dados da Associação Brasileira de Inseminação Artificial (ASBIA), de 2018 para 2022 houve um crescimento de 94% nas vendas de sêmen da raça, sendo que 137% desse crescimento foi somente de sêmens de touros nacionais.

O mapa do Brangus, no Brasil, tem saído do Sul em direção ao Norte e Nordeste, apresentando a viabilidade dos animais, em climas mais quentes.

Na distribuição por regiões, o Sul soma 194 criatórios, no Sudeste são 52, no Centro-Oeste são 44, no Norte 9 e o Nordeste aumentou em 27% no volume de animais, nos últimos dois anos, distribuídos agora em 7 propriedades.

Para o gerente de produto de corte europeu de uma empresa de comercialização de sêmen do país, Delmiro Rodrigues, as necessidades e objetivos de quem está ao Sul são diferentes do Brasil central, e é justamente nessa diferença que o Brangus se torna uma ótima opção.

“Quando falamos do cruzamento e do produto Brangus, temos que falar de seus benefícios e assertividades, de onde a gente vai usar, seja no cruzamento, seja no tricross. A raça, por ter um perfil extremamente adaptável, vai crescer cada vez mais e quanto mais os criadores olharem para o centro do país e identificarem que ali também funciona um mercado adepto, via inseminação, mais conseguiremos expandir a raça”, explica o gerente comercial.

Entre os Estados que mais comercializaram o sêmen da raça estão: MS (14%), RS (13%), PA (12%), MT (11%), TO (9%), um demonstrativo de que a raça vem expandindo e sendo cada vez mais exploradas em outras regiões.

Foto: Reprodução YouTube / DBO Play

“O Sul com certeza já sabe da importância da raça e de todo o seu potencial produtivo, mas ver a crescente desses números com relação à disseminação da nossa genética em outras regiões, é um importante demonstrativo de como a raça pode contribuir com uma pecuária de maior precisão e resultados”, enfatiza o presidente da Associação Brasileira Brangus (ABB), Ladislau Lansarics Junior.

Mauricio Garcia, produtor rural da cidade de Chapadão do Céu (GO), utiliza a raça desde 1999 no ciclo completo de produção e segundo ele os resultados com o uso do Brangus são vistos na balança.

“Eu sabia que touro de raças taurinas dificilmente suportaria trabalhar em nossa região, então, primeiramente eu investi no uso do Brangus em IATF e depois adquiri o próprio animal, porque os resultados foram muito satisfatórios, nos entrega a rusticidade necessária para os animais estarem à campo, desempenho esperado desde peso à desmama, ao abate, precocidade sexual e de terminação, qualidade da carne, é uma raça equilibrada que está sempre atingindo os melhores resultados entre os critérios que buscamos”, explica Garcia.

Fonte: Ascom ABB

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.