Região Nordeste precisa ser inserida no ‘boom’ do agronegócio brasileiro, diz Tereza Cristina

Declaração da ministra foi feita durante o 5º Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse nesta segunda-feira (26/10) no 5º Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio que a região Nordeste precisa ser inserida no “boom” do agronegócio brasileiro.

Saiba mais
Ministra Tereza Cristina abre o Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio

Eles têm como fazer, só temos de dar as ferramentas e ajudar essas pessoas a entrar nos diversos sistemas produtivos“, comentou.

Ela citou o programa AgroNordeste, lançado em outubro do ano passado e que visa impulsionar o desenvolvimento no meio rural da região. Uma das frentes de ação, segundo a ministra, é o envolvimento de grandes cooperativas para levar a produtores do Nordeste iniciativas bem sucedidas.

“Pedimos que as cooperativas do Sul, Sudeste e algumas do Centro-Oeste apadrinhem algumas cooperativas do Nordeste, para que possam levar o que deu certo aqui, claro que (respeitando) nas condições e cultura de lá. Já começamos a ver alguma coisa acontecendo”, contou.

A ministra admitiu que há no campo brasileiro “uma desigualdade” que precisa ser corrigida, não só relacionada às mulheres do meio rural como também aos pequenos produtores.

Temos os que estão na terra mas são só moradores da terra, os que produzem para sua subsistência, os que já estão um pouco melhores e os que fazem essa riqueza que é o agro brasileiro. É importante termos todos os dias mulheres e pequenos produtores incluídos.

De acordo com Tereza Cristina, os 30 milhões de “invisíveis” – pessoas que receberam o auxílio emergencial do governo para atenuar a perda de renda em virtude da Covid-19 – precisam continuar sendo objeto de políticas públicas.

“Fizemos no Brasil um programa não só para a área rural, mas para todos aqueles que perderam seus empregos, os que vendiam pipoca na frente do colégio, que sobreviviam e deixaram de ter seu ganha-pão. Nesse cadastramento conseguimos ver brasileiros que, na informalidade da sua renda, somavam mais de 30 milhões de invisíveis”, contou Tereza Cristina.

“Esse é um cadastro que tem de ser muito bem aproveitado pelo governo para políticas públicas, não só na área rural, mas nas áreas urbanas”, disse a ministra no evento. Participaram do debate com Tereza Cristina a ministra de Agricultura de Portugal, Maria do Céu, e a líder da Aliança Cooperativa Internacional (ACI), Graciela Fernandez.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.