Renda de citricultor deve cair com maior oferta em 2019/20

Produção de laranja deve crescer 36% no cinturão entre São Paulo e Minas Gerais e a oferta da fruta deve ser ampliada
Foto: Pixabay

A renda do citricultor brasileiro deve cair na safra 2019/2020, com o crescimento da oferta de laranja no País e nos Estados Unidos, principais países produtores e exportadores de suco, de acordo com avaliação de especialistas dessa cadeia produtiva na Semana da Citricultura, em Cordeirópolis (SP).

A produção de laranja deve crescer 36% no cinturão entre São Paulo e Minas Gerais, para 389 milhões de caixas (de 40,8 quilos), e a oferta da fruta deve ser ampliada também na Flórida, com a recuperação dos pomares do Estado norte-americano dos danos causados em 2017 pelo furacão Irma.

Continue a leitura após o anúncio

Nesse cenário, Marcos Fava Neves, sócio da Markestrat e professor da Universidade de São Paulo (USP) e da Fundação Getulio Vargas (FGV), avalia que a laranja, “uma cultura extremamente rentável nos últimos anos, não vai continuar assim nos próximos anos”.

Os preços da caixa da fruta, segundo ele, devem cair da média atual de R$ 25 para entre R$ 15 e R$ 18 nos próximos anos, segundo Fava Neves. “Além disso, a demanda externa vem caindo e tomaria cuidado para novos investimentos”, explicou.

Fava Neves avalia que a citricultura brasileira precisa “seguir como está”, ou seja, não há espaço para o crescimento no plantio nesse cenário de aumento da produtividade e da demanda em queda nos principais mercados.

“Não dá para esperar da citricultura o que esperamos da soja e das carnes. A saída é que os mercados interno e de emergentes compensem boa parte da queda de mercados consolidados. Temos agora que segurar a queda dos consolidados e seria bom se citricultura brasileira seguisse como está.”

Para o economista José Roberto Mendonça de Barros, sócio da MB Agro e da MB Associados, o setor “inequivocamente está muito perigoso” por causa da perspectiva de oferta em alta e do aumento da produtividade nos pomares comerciais. “Se o clima seguir bom, com oferta grande, o preço vai sentir mesmo”, afirmou.

No evento, o diretor executivo da Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos (CitrusBR), Ibiapaba Netto, estimou que das 389 milhões de caixas de oferta esperada para a safra 2019/2020 340 milhões de caixas devem ser processadas, o que geraria uma oferta potencial de 1,3 milhão de toneladas concentrado e congelado (FCOJ) equivalente. Se confirmado, o volume produzido será 48,5% superior ao de 875.172 toneladas de FCOJ equivalente da safra 2018/2019.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO