Reposição segue as altas na cotação do boi gordo e registra reação nos preços

Valores de animais mais novos têm subido com força, sobretudo bezerros; procura por fêmeas também cresceu, puxada principalmente pela entrada da estação de monta

A consolidação das altas nos preços do boi gordo começa a repercutir com mais intensidade na formação dos preços de gado para reposição, informa boletim semanal da IHS Markit.

“A liquidez cresce gradualmente entre as principais praças pecuárias do Brasil, impulsionadas pela vantajosa relação de troca com a boiada gorda, além da melhoria das condições de pastagem em grande parte do País, em função dos elevados índices de chuvas”, observa a consultoria.

Segundo a IHS, a valorização da arroba do gado gordo vem colaborando para melhoria no poder de compra dos recriadores/invernistas.

“Os preços de animais mais novos têm reagido, sobretudo de bezerros”, destaca a consultoria.

A procura por fêmeas também tem aumentando, estimulada principalmente pela entrada da estação de monta.

Além disso, continua a IHS, os preços dos lotes de novilhas prontas para abater estão quase alinhados ao valores do boi gordo em algumas regiões do Brasil, o que também explica a maior demanda pela categoria animal.

“Os criadores buscam barganhar valores mais altos pela reposição, já que a oferta é enxuta e a demanda vem sendo estimulada pelas altas nos preços da boiada gorda”, ressalta a IHS.

Em todas as regiões do País, a tendência para o curto prazo é de preços firmes, prevê a consultoria.

“Negociações na casa de R$ 14-15/kg para os bezerros machos voltam a ocorrer em importantes regiões pecuárias do Brasil”, informa a IHS.

Os animais de alta qualidade são facilmente negociados a preços superiores aos valores de referência, destaca a consultoria.

Giro pelas praças – No Centro-Oeste, os elevados volumes de chuvas aqueceram ainda mais o mercado de reposição, estimulado pela recuperação dos pastos.

“Na região Centro-Oeste, pouco a pouco, as pastagens apresentam uma boa recuperação, e, assim, os recriadores/invernistas começaram a intensificar os volumes de aquisições”, relata a IHS.

No Sudeste, embora a procura pelos animais mais erados tenha se restringido nas últimas semanas, o mercado de bezerros ainda está muito aquecido, com liquidez quase absoluta nos leilões realizados, observa a IHS.

Na região Norte e no Sul do País, a demanda é sustentada pela necessidade de recompor plantel e também pelas exportações de animais em pé.

Preços gerais – No balanço semanal realizado pela Scot Consultoria, que considera a média de preços em todas as regiões monitoradas, entre machos e fêmeas anelorados, houve um avanço de 2,2% nas cotações dos animais de reposição frente ao valor médio da semana anterior.

VEJA TAMBÉM | “Não acreditamos numa enxurrada de bezerros no próximo ano”, diz analista da Scot

“Quando comparadas ao mesmo período do ano passado, as cotações atuais estão 9,6% maiores”, compara.

Ainda segundo a Scot, as fêmeas continuam puxando o avanço nos preços, com alta de 2,4%, na média de todos os estados monitorados e categorias, frente ao aumento médio de 2% das categorias dos machos anelorados.

“O que se observa é que os holofotes estão voltados às categorias mais jovens”, declaram os analistas da Scot.

Entre as fêmeas, na média de todos os estados pesquisados, a maior alta ficou para a bezerra desmamada (+3,6%), seguida da bezerra de ano (+2,9%). Para a vaca magra e novilha, as altas foram de 1,6% e 1,5%, respectivamente.

“Para o curto prazo, a tendência é de que o mercado de reposição continue ganhando ritmo”, prevê a Scot.

SAIBA MAIS | Acompanhe os negócios do mercado de reposição no Jornal de Leilões

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

No embalo do mercado

Confira os destaques da edição de dezembro; na capa, fazenda da BRPec Agropecuária, com mais de 130 mil ha no MS, trocou o ciclo completo pela cria, mas mantém estrutura para virar a chave se o cenário mudar

No embalo do mercado

Confira os destaques da edição de dezembro; na capa, fazenda da BRPec Agropecuária, com mais de 130 mil ha no MS, trocou o ciclo completo pela cria, mas mantém estrutura para virar a chave se o cenário mudar

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.