Retorno financeiro da pecuária é baixo em relação às outras atividades

Estudo, porém, destaca enorme potencial da atividade em caso de uso de pacotes tecnológicos

Estudo publicado pelo Cepea/Esalq-USP nesta terça-feira, 6 de julho, em parceria com a Confederação Nacional de Agricultura (CNA), mostra que, com o avanço da fronteira agrícola nos últimos anos, as regiões do País que são tipicamente de pecuária têm apresentado a introdução de culturas anuais, como a soja, elevando a competição pelo uso da terra. Nesse contexto, diz a equipe de pesquisadores do Cepea, os sistemas de produção que apresentam maior atratividade econômica aos produtores tendem a prosperar, enquanto os menos rentáveis terão sua presença reduzida gradativamente.

Diante dessa premissa, os analistas do Cepea/Esalq-USP aprofundaram os estudos usando como base os dados da região de Alta Floresta (MT), levantados pelo Projeto Campo Futuro, considerando propriedades de cria e de recria e engorda. De acordo definição dos pesquisadores, a capacidade de avaliar a performance econômica das atividades exercidas é premissa básica para uma boa gestão, sendo a análise da taxa de remuneração do capital investido (TRC) uma das ferramentas disponíveis. Esta análise compara o retorno da atividade com o de outros sistemas de produção e taxas de juros. Sendo assim, avalia o Cepea, quanto maior a remuneração sobre o capital investido, maior a atratividade do sistema.

Continue a leitura após o anúncio

Para o cálculo da TRC, a margem líquida da atividade (diferença entre a receita bruta anual e Custo Operacional Total), é dividida pelo capital investido na propriedade, composto pelos valores das benfeitorias, máquinas, implementos, utilitários, rebanho e terra.

Em Alta Floresta, as margens líquidas em junho de 2019 foram de R$ 221,40 e R$ 291,87 por hectare de área produtiva para cria e recria e engorda, respectivamente. Para o período analisado, os respectivos capitais investidos são de R$ 25.339,76 e R$ 32.401,67/ha.

Como resultado, as propriedades típicas de Alta Floresta atingem TRC de 0,87% e 0,90%, respectivamente, ficando abaixo de taxas fixas dos mercados de investimento, como a Selic 2018 (taxa básica de juros da economia nacional), de 6,4%; poupança, 4,62%; e CDI, que acumulou 6,42% no período.

Dados do Projeto Campo Futuro de Sinop, região próxima a Alta Floresta, apontam que os sistemas de soja e milho safrinha apresentaram margem de R$ 666,05/ha, com taxa de remuneração de 2,83%. Essas diferenças indicam que existem outros investimentos mais rentáveis que os sistemas de produção avaliados.

Porém, as propriedades amostradas não demonstram o potencial produtivo para atividade pecuária. Por meio da tecnificação da atividade e incremento de produtividade, os sistemas podem se tornar tão competitivos quanto as demais culturas e remunerarem acima das taxas fixas apresentadas, diz o estudo. “Dessa forma, avaliar a fundo os gargalos do sistema produtivo pecuário, visando otimizar os processos inerentes à atividade, deve ser prioridade para os gestores das fazendas”, ilustra. Para este fim, treinamentos e assessoria técnica qualificada devem sempre ser procurados, para definir o curso de ações mais adequado à cada caso”, acrescenta.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Revista DBO – Saindo na frente

Confira a edição de setembro, que traz o “Especial de Genética e Reprodução” com 7 reportagens exclusivas, além de outras 21 reportagens e análises sobre o mundo da pecuária

Revista DBO – Saindo na frente

Confira a edição de setembro, que traz o “Especial de Genética e Reprodução” com 7 reportagens exclusivas, além de outras 21 reportagens e análises sobre o mundo da pecuária

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO