[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Revista DBO | Captação e distribuição de água muda a história de fazenda em Bonito (MS)

A partir da captação e transporte de água, fazenda aumenta produtividade na pecuária, entra na agricultura e reduz custos com energia

Canal de 1.200 metros de extensão faz a transposição do rio Laudejá até as rodas d’água da fazenda.

Por Ariosto Mesquita

Quando alguém decidir contar detalhadamente a história da Fazenda Laudejá, em Bonito (MS), a água certamente será personagem central. Sua ausência pontuou períodos de tristeza, perdas e indefinições, enquanto sua fartura e uso racional trouxeram vida, versatilidade e alta capacidade de produção de alimentos e abriram as portas para a adoção de ações de desenvolvimento eficientes e sustentáveis.

Quem chega à propriedade (com área total de 10.500 ha, 48% de reserva legal), distante 50 km da área urbana, vê água em inúmeros pontos. Somando pastos e confinamento (capacidade estática para 3.500 animais) são 17 reservatórios e 110 bebedouros com capacidade de armazenamento total de 2,650 milhões de litros, sem contar açudes e uma estrutura de calhas para captura de águas pluviais.

VEJA TAMBÉM | Se entrar ar, não sai água

A capacidade atual da estrutura de abastecimento (captação e bombeamento) é de 1,2 milhão de litros/dia, graças a uma rede de água encanada cuja extensão é estimada em 50 km. Nada mal para uma demanda total de 450 mil litros/dia, somando as necessidades da bovinocultura de ciclo completo e da agricultura (soja e milho), que funcionam em integração lavoura-pecuária (ILP). Em valores atuais, o custo estimado da estrutura hidráulica da fazenda (sem contar mão de obra e serviço de valeteamento), é de R$ 2,860 milhões.

Mas nada disso existia em 1987, quando Leôncio (Leo) de Souza Brito Filho e sua esposa, Lizete Brito (ambos engenheiros agrônomos, ‘esalqueanos’ das turmas de 1968 e 1969, respectivamente), receberam a propriedade, após um sorteio que desmembrou o grupo familiar que chegou a reunir 10 fazendas pelo Mato Grosso do Sul (trabalho liderado pelo patriarca, Leôncio de Souza Brito, falecido 13 anos antes).

“A estrutura era incipiente. Tínhamos a sede, um curral deficiente, um pasto de capim Jaraguá, duas invernadas com forrageiras nativas e pouca gente pra trabalhar. Cabia, no máximo, 1.200 reses. Como recebemos um rebanho de 4.200 animais, tive de correr e alugar pasto. Matava boi com idade entre quatro e cinco anos. Hoje tem animal que vai para o gancho a partir de 18 meses”, conta Leo Filho.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

This post is only available to members.
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Pocket
WhatsApp
Skype
Email
Telegram
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Pocket
Email
Tumblr
Print
2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.