[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

“Com resultados, é mais fácil falar de bem-estar animal”

No "Prosa Quente" da edição de abril, Fernanda Macitelli, uma das maiores etólogas do Brasil, garante que o bom manejo traz benefícios evidentes

“Optar pelo manejo racional ou boas práticas não signfica aumentar custos; significa mudar atitudes, formas de pensar”

Por Renato Villela

A zootecnista Fernanda Macitelli (43 anos), professora da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT), é considerada uma das maiores especialistas em bem-estar animal do Brasil, com contribuição relevante para o desenvolvimento da pecuária bovina nacional. Cientista respeitada, tem mestrado em nutrição de ruminantes e doutorado em comportamento animal pela Unesp de Jaboticabal, SP, onde se formou. Nascida na capital paulista, mudou-se aos cinco anos para o município de Santa Rita do Passa Quatro, interior do Estado, onde se apaixonou pelo campo. Neta de capataz, cresceu ouvindo as histórias de quem ganhava a vida na lida com o gado. “Minha inspiração maior foi meu avô, que sempre me contava como fazia para cuidar dos animais”, relembra.

O interesse da infância ganhou impulso na adolescência. “Durante o colegial, assisti uma palestra do professor Mateus Paranhos [um dos mais importantes etólogos do Brasil, professor da Unesp Jaboticabal], sobre comportamento animal e pensei: quero ser igual a esse moço”. A admiração norteou a escolha da faculdade para fazer zootecnia. “Passei na Unesp, Lavras (UFLA), Viçosa (UFV) e USP (FZEA), mas escolhi a primeira por causa do professor Mateus”, conta Fernanda. A parceria entre os dois, que renderia tantos trabalhos importantes, foi vista com descrédito no início. “As pessoas me perguntavam: você vai escolher aquele abraçador de árvores para ser seu orientador?”, conta rindo.

Hoje, o bem-estar animal já não é visto com estranheza. Pelo contrário, tornou-se um dos pilares da produção animal moderna. Muito dessa mudança se deve aos trabalhos de pesquisa realizados por Fernanda, em conjunto com o Grupo de Estudos e Pesquisas em Etologia e Ecologia Animal (ETCO), ou conduzidos na UFMT (Campus de Sinop). “Temos muitos resultados que podem ser implementados nas fazendas. E quando a gente fala em resultados, o pecuarista já olha de uma forma diferente”, diz a etóloga, que também tem experiência de campo. Antes de se tornar professora da UFMT, ela trabalhou por oito anos como gerente de uma grande empresa pecuária e hoje é produtora em Lucas do Rio Verde, MT.

Nesta entrevista concedida ao repórter Renato Villela, Fernanda fala de vários projetos, dentre eles a campanha para redução da marca a fogo; o programa de treinamento de materneiros “Cada bezerro importa”, que vem reduzindo a taxa de mortalidade nas fazendas; os estudos com estresse térmico em confinamentos e, claro, os novos desafios do bem-estar animal. Confira!

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print

Veja também: