[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Fazenda Cedro mostra como vai ajustando seu sistema lavoura-pecuária

Do modelo de ILP à categoria animal escolhida como mais adequada, passando pela troca da equipe, fazenda em Mato Grosso do Sul trilha a via da rentabilidade

Fazenda Cedro, em Campo Grande: na safra passada, pecuária teve lucro maior do que a soja; na atual, vai passar dos R$ 1.000/ha.

Por Ariosto Mesquita

Iniciativas ao longo da última década já comprovaram que a integração lavoura-pecuária (ILP) responde a um bom investimento. Mas se existe retorno, o que efetivamente ela exige do gestor da propriedade? A experiência do empresário e produtor rural, Ricardo Backheuser Jr. (dono da LGGL Agropecuária e Participações Ltda.), pode ajudar na resposta à esta pergunta. Há quase quatro anos, ele investiu em um projeto de ILP (soja + bovinocultura de corte) que já está entrando em sua terceira fase de ajuste. Iniciou a pecuária fazendo recria e terminação de novilhas. Ano passado, trocou as fêmeas pelos machos e enxugou o rebanho.

Agora, a partir do ciclo 2021/2022 pretende se estruturar para fazer sua própria reposição, apostando na cria em duas áreas de apoio cuja compra negocia. Os resultados estão acompanhando os esforços. O faturamento por hectare com a pecuária subiu de R$ 173 para R$ 519 entre os ciclos 2018/2019 e 2019/2020. Em 2020/2021, mesmo cedendo mais área para a soja, elevou a receita da atividade de corte proporcionalmente, batendo em R$1.050/ha. A soja, após um período de difícil adaptação dentro do sistema, segue o mesmo caminho. Depois de render R$ 406/ha em 2019/20, tem projeção de atingir R$ 1.661/ha em 2020/21 (colheita iniciada em março).

Colheita da soja, iniciada em março, aponta para lucro acima dos R$ 1.600/ha

O desafio começou em 2017. Naquele ano, Backheuser, que tinha a ILP como uma de suas metas de trabalho, decidiu estruturar um projeto no Mato Grosso do Sul. Antes disso, se cercou de assessorias técnicas para não errar a tacada. O primeiro passo foi a escolha da área. Encontrou e comprou a Fazenda Cedro, uma propriedade agrícola de 2.400 ha em Campo Grande. Mas o cenário plausível para lavoura não indicava necessariamente sucesso para a integração. As terras adquiridas (distantes 40 km da área urbana da capital) são altamente arenosas (12% a 15% de argila) dentro de uma região sujeita a veranicos e geadas pontuais, carregada de desequilíbrio pluviométrico ao longo de pelo menos oito meses do ano (março a outubro), intervalo em que o fotoperíodo cai consideravelmente. Isso exigiu uma condução adaptada a estas particularidades.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print

Veja também: