Rio Grande do Sul está perto de suspender vacinação contra a febre aftosa

Ministério da Agricultura autorizou o estado a antecipar a vacinação contra a febre aftosa de maio para março
Foto: José Adair Gomercindo-SECS

O Rio Grande do Sul está perto de conseguir a suspensão da vacina contra a febre aftosa em sua área. A perspectiva vem por parte do governo gaúcho que entrou com o pedido de suspensão da vacina junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

A área técnica da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do Estado informa que segue trabalhando para manter o serviço veterinário oficial pronto para o atendimento de todas as exigências do Mapa. Durante a auditoria do Mapa, em setembro do ano passado, o trabalho técnico foi minuciosamente avaliado.

Nesta sexta-feira, 21 de fevereiro, o Ministério da Agricultura autorizou o Rio Grande do Sul a antecipar a vacinação contra a febre aftosa de maio para março.

A decisão atende a uma solicitação encaminhada pela Secretaria da Agricultura do Estado na última segunda-feira, 17. Com isso, a campanha de vacinação será feita de 16 de março até 14 de abril de 2020.

Conforme a nota do Ministério, a ação visa manter a possibilidade do estado gaúcho, caso cumpra todos os requisitos e ações previstas do Plano Estratégico 2017-2026 do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA), pleitear o reconhecimento de zona livre de febre aftosa sem vacinação perante à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), em maio de 2021.

De acordo com o presidente do Fundesa, Rogério Kerber, atualmente o que falta para a retirada da vacina é uma decisão política, uma vez que tecnicamente o estado está em alinhamento com a diretriz da tomada de decisão para a retirada da vacina.

“Essa possibilidade acena positivamente para os setores exportadores de proteína animal, pois permite o acesso a mercados diferenciados e que remuneram melhor”, afirma.

Com a antecipação da vacinação, o estado gaúcho busca se igualar ao Paraná. Isso porque, o Paraná efetuou a última imunização em maio do ano passado e agora busca o reconhecimento internacional de livre de aftosa sem vacinação. Atualmente, o Rio Grande do Sul possui aproximadamente 13 milhões de bovinos e teve o último registro da doença em 2001.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.