Safra de café deve atingir recorde de 63,08 milhões de sacas em 2020

Segundo a Conab, o aumento é de 27,9% sobre a colheita de 2019 e de 2,3% sobre o recorde anterior, de 2018 - com 61,7 milhões de sacas
Getty Images

A safra brasileira de café em 2020, cuja colheita já foi encerrada, deve atingir 63,08 milhões de sacas de 60 kg (arábica e conilon), representando recorde histórico. O aumento é de 27,9% sobre a colheita de 2019 (49,31 milhões de sacas) e de 2,3% sobre o recorde anterior, de 2018 (61,7 milhões de sacas). A área colhida aumentou 3,9%, atingindo 1,88 milhão de hectares. Os números fazem parte do 4º e último levantamento da safra de café 2020, da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgado nesta quinta-feira (17/12).

Conforme a Conab, além da bienalidade positiva do arábica, o clima também contribuiu para o desenvolvimento das lavouras, sobretudo do arábica. A produção deste tipo de grão superou a de 2018, alcançando 48,77 milhões de sacas. Em relação ao ano passado (48,77 milhões de sacas), o aumento é de 42,2%.

Já o conilon, com produção estimada em 14,31 milhões de sacas, não teve o mesmo desempenho. Esse volume é 4,7% menor que o obtido na safra anterior (15,01 milhões de sacas), o que pode ser atribuído às poucas chuvas nas regiões produtoras do Espírito Santo, principal Estado produtor da variedade.

O maior produtor de café é Minas Gerais, com 34,65 milhões de sacas e crescimento de 41,1% no comparativo com 2019, graças principalmente ao arábica que responde por mais de 90% do café do Estado. O Espírito Santo, em segundo lugar, produziu neste ano 13,96 milhões de sacas, com redução de 12,41%. Das lavouras capixabas, saíram 9,19 milhões de sacas de conilon e 4,77 milhões de sacas de arábica.

São Paulo vem em seguida, com 6,18 milhões de sacas e aumento de 42,4%. A Bahia também obteve aumento expressivo, de 32,9%, alcançando 3,99 milhões de sacas. Rondônia produziu 2,44 milhões de sacas, crescimento de 11,2%. No Paraná, com redução de 3,3% na área, a produção somou 941,9 mil sacas, 1,2% inferior ao produzido em 2019.

Outros Estados, com menor expressividade na produção total, são Rio de Janeiro e Mato Grosso, onde a safra deste ano aumentou 51,4% (371 mil sacas) e 30,5% (158,4 mil sacas), respectivamente. Em Goiás, mesmo com a área totalmente irrigada, a produção (247,8 mil sacas) foi 0,6% menor que a obtida em 2019. Tal resultado se deve à redução de 11,5% na área em produção, aliada às altas temperaturas decorrentes das estiagens ocorridas nas fases críticas das plantas.

Levantamentos da Conab indicam que, em novembro, cerca de 74% da produção da safra 2020/21 já se encontrava comercializada, enquanto em igual período de 2019 e na média dos últimos cinco anos, essas porcentagens eram de, respectivamente, 71% e 69%.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Boi-safrinha de cara nova

CONFIRA os destaques da edição de outubro da Revista DBO; na capa, as novidades deste versátil sistema de produção

Boi-safrinha de cara nova

CONFIRA os destaques da edição de outubro da Revista DBO; na capa, as novidades deste versátil sistema de produção

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.