Secretaria de Agricultura de São Paulo confirma caso de raiva em bovino na região de Marília

Diagnóstico se junta a outros oito casos ocorridos na região e totalizam 55 casos positivos de raiva de herbívoros registrados em SP em 2021, informa SAA-SP

Um caso de raiva de herbívoros foi confirmado pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo (SAA-SP) nesta segunda-feira, 12 de julho, em um bovino no município de Oriente, região do Escritório de Defesa Agropecuária (EDA) de Marília. O animal veio a óbito no dia 6 do mesmo mês.

De acordo com a SAA, este diagnóstico se junta a outros oito casos ocorridos na região e totalizam 55 casos positivos de raiva de herbívoros registrados no Estado de São Paulo no ano de 2021.

A raiva de herbívoros é uma doença letal que pode ser transmitida ao ser humano e tem como o principal transmissor o morcego hematófago da espécie Desmodus rotundus.

De acordo com médico veterinário da Secretaria de Agricultura, Guilherme Shin Iwamoto Haga, que junto à Coordenadoria de Defesa Agropecuária responde pelo Programa Estadual de Controle da Raiva dos Herbívoros, esta espécie de morcego ocorre em todo o território do estado de São Paulo – na região de Marília, envolve os municípios de Álvaro de Carvalho, Alvinlândia, Fernão, Gália, Garça, Lupércio, Ocauçu, Oscar Bressane, Pompéia, Quintana e Vera Cruz.

“A espécie tem alta incidência na região, muito em razão de ser uma área de serra e, em virtude disso, existir muitos locais onde se abrigar. Também pela população de herbívoros domésticos (bovinos, equídeos e outros) onde este encontra a condição ideal para buscar seu alimento”, disse Guilherme.

O médico veterinário Ricardo Scioli Dal Colletto, que atua junto ao EDA de Marília, atendeu a ocorrência e está realizando um trabalho de investigação para verificar a origem da doença.

“No mês de agosto está sendo programada uma força tarefa com funcionários da equipe de controle da raiva dos herbívoros de diversas partes do Estado para revisão dos abrigos de morcegos hematófagos cadastrados e busca por novos locais que possam existir”, disse Colletto.

Em caso de se observar casos de animais com sinais sugestivos de raiva (andar cambaleante, salivação, andar em círculos, desorientação, não conseguir manter-se em pé, não conseguir se levantar, com movimentos de pedalagem e óbito) e sinais de ataques de morcegos no rebanho é preciso comunicar imediatamente a Coordenadoria de Defesa Agropecuária (www.defesa.agricultura.sp.gov.br).

Outra medida que deve ser tomada é realizar a vacinação de todo o rebanho suscetível da propriedade.

Fonte: Ascom SAA-SP

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Revista DBO | Ele quer todo gado na sombra

VEJA os destaques da edição de maio e o Especial Instalações e Equipamentos; na capa, a Agropastoril Campanelli investe em cobertura metálica dos currais e comprova ganho de mais de meia arroba por animal engordado na sombra

Revista DBO | Ele quer todo gado na sombra

VEJA os destaques da edição de maio e o Especial Instalações e Equipamentos; na capa, a Agropastoril Campanelli investe em cobertura metálica dos currais e comprova ganho de mais de meia arroba por animal engordado na sombra

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.