“Segundas sem carne”: uma obrigação para as escolas públicas de Nova York

Setor industrial reclama ao Prefeito Bill de Blasio: “equívoco, coleção de meias verdades”
Foto: Prefeito de Nova Iorque, Bill de Blasio. (Drew Angerer/Getty images)

 

O prefeito da cidade de Nova York, Bill de Blasio, anunciou nesta semana que todas as escolas públicas da cidade deixarão de servir carne às segundas-feiras para seus 1,1 milhão de estudantes, medida válida a partir de julho próximo.

O programa foi discretamente testado em 15 escolas no bairro de Brooklyn no ano passado. Agora, o prefeito decidiu expandir essa iniciativa para todas as escolas públicas de Nova York, a partir do início do ano letivo 2019-2020.

Uma política semelhante foi adotada pelo sistema de escolas públicas em Los Angeles, Califórnia, em 2013, mas Nova York tornou-se o maior sistema escolar dos EUA para abraçar a campanha contra a carne.

“Reduzir um pouco o consumo de carne vai melhorar a saúde dos nova-iorquinos e reduzir as emissões de gases de efeito estufa”, disse o prefeito ao anunciar a decisão no início desta semana.

Em substituição da proteína animal, os alunos irão receber “menus saudáveis de café da manhã e almoço vegetarianos toda segunda-feira”, disse o prefeito Bill de Blasio.

“Reduzir nosso apetite por carne é uma das maiores maneiras de reduzir o impacto ambiental em nosso planeta”, afirmou Mark Chambers, diretor do Escritório de Sustentabilidade da Prefeitura de Nova York. “Segundas sem carne” introduzirão centenas de milhares de jovens nova-iorquinos à ideia de que pequenas mudanças em sua dieta podem criar mudanças maiores para a saúde e a saúde do nosso planeta”, acrescentou.
Em resposta, o North American Meat Institute (NAMI) associação comercial que representa 95% das indústrias processadoras de carne vermelha nos EUA, enviou uma carta ao prefeito de Nova York solicitando a reversão da decisão, descrevendo-a como “equivocada e baseada em uma coleção de meias verdades”.

Na carta, Julie Anna Potts, presidente do Meat Institute, expressou preocupação com as consequências nutricionais que a decisão terá sobre os estudantes de Nova York. Disse também se tratar de um “temor equivocado” sobre o impacto da carne no meio ambiente, além de ressaltar que nem todas famílias concordam com essa medida e preferem incluir carne nas dietas de seus filhos.

“A ciência é indiscutível: a carne é excepcionalmente rica em nutrientes, com vitaminas e minerais essenciais, e é uma fonte de proteínas completa, que não podem ser combinadas com dietas à base de plantas”, escreveu ela.

Justificar a política da “Meatless Monday” (Segundas sem carne) citando preocupações ambientais também foi equivocada, acrescentou Julie.

Segundo a Agência de Proteção Ambiental dos EUA, a produção pecuária foi responsável por 4,2% das emissões de gases de efeito estufa (GEE). Ironicamente, a medida do prefeito de Nova York foi anunciada no mesmo dia em que o Serviço de Pesquisa Agrícola (ARS) do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos publicou um novo relatório atribuindo apenas 3,3% dos GEE à produção de gado.
“Em contraste, o relatório ARS atribui 56% dos GEE ao transporte e à produção de energia, levando à conclusão de que o sistema educacional da cidade deveria se concentrar em melhorar sua utilização nesses setores”, desafiou a presidente do Meat Institute.

*Com Beef Central e agências internacionais.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on tumblr
Tumblr
Share on print
Print

Veja também:

Fechar Menu
×

Carrinho