Aftosa: sem bem-estar animal, redução de dose da vacina é paliativa

Consultor da Beckhauser afirma que medida precisa estar associada às técnicas de manejo racional para reduzir casos de abcessos
Foto: Diogo França/Texto Comunicação

A partir de maio, a vacina que imuniza a febre aftosa em animais terá a doze reduzida de 5 ml para 2 ml. O objetivo da medida é diminuir a ocorrência de lesões na carcaça por reação vacinal – as exportações brasileiras de carne bovina in natura aos Estados Unidos estão proibidas justamente pela detecção de resquícios de abscessos no produto provocado pela vacinação contra a febre aftosa.

+Aftosa: MT e RO discutem retirada da vacinação
+SC está preocupada com fim da vacinação contra aftosa no PR
+Retirada de vacinação contra aftosa preocupa setor pecuário

No entanto, artigo assinado pelo médico veterinário Renato dos Santos, consultor de manejo racional da empresa Beckhauser, diz que a redução na dose da vacina será “mais uma vez apenas uma medida paliativa” se os pecuaristas não se conscientizaram da importância de se aplicar técnicas de bem-estar animal aos seus rebanhos.

“Infelizmente, naquelas fazendas em que não se dá a devida importância ao manejo – ainda maioria esmagadora –, a iniciativa da dose reduzida não surtirá efeito algum”, enfatiza Santos, acrescentando que é preciso oferecer treinamento para a mão de obra e melhorar as condições de trabalho dos funcionários nas propriedades.

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.