Sem escoamento fácil, boi gordo ameaça desabar

Saiba a quantas anda o consumo interno de carne bovina e por que a China pode dar fôlego ao mercado
Mercado tem cenário incerto para o consumo interno. Foto: PortalMS

O preço do boi gordo registrou bastante volatilidade ao longo desta semana, fechando a sexta-feira com viés de baixa nas principais praças pecuárias do Brasil.

“Os ajustes negativos da arroba ocorreram em função da dificuldade no escoamento da carne bovina ao segmento atacado”, relata a Informa Economics FNP, acrescentando que os estoques da proteína nas câmaras frias estão bastante cheios .

Segundo a consultoria, diante da nova realidade imposta pelo novo coronavírus, as indústrias tentam adequar as escalas de abate de acordo com a demanda pela carne, operando com a “venda casada”, isto é, compram a boiada apenas em conjunto com a venda dos cortes.

Essa estratégia de negócio “de mão para a boca” reflete o atual período de isolamento da população e de incertezas gerados pelo avanço do vírus mortal COVID-19 no País.

O fechamento de escolas, restaurantes e bares provoca não só uma diminuição no escoamento de carne, mas também uma alteração na dinâmica do mercado, observa a FNP. “Embora ainda seja cedo para uma avaliação de curto prazo, já se nota uma redução nas vendas dos cortes nobres, tipicamente mais consumidos fora de casa”, destaca a consultoria.

Entrega de gado para a indústria tem sido volátil. Foto: divulgação

Movimento de resistência

Do lado da oferta, os pecuaristas também resistem em vender  a boiada a preços mais baixos e continuam segurando os animais nas pastagens, ainda em boas condições devido ao bom volume de chuvas dos meses anteriores.

“A ideia é represar os lotes por um tempo maior, para liquidá-los mais pesados, aumentando o rendimento da carcaça”, destaca a FNP.

Com o mercado interno enfraquecido, os produtores apostam numa retomada mais consistentes das exportações ao mercado da China, disparado o principal comprador mundial da carne bovina brasileira. “A expectativa é de que os importadores chineses retornem ativamente nas compras da carne nacional e, com o dólar em níveis elevados, as exportações possam atuar como válvula de escape frente a fraca demanda no mercado interno”, relata a FNP.

Abates em queda

O ritmo de abate de animais nas unidades com inspeção federal (SIF) do Braisl recuou 17,4% no primeiro trimestre de 2020 frente a igual período do ano passado, totalizando 4,97 milhões de cabeças abatidas, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Em Mato Grosso, segundo dados do Instituto de Defesa Agropecuária do Mato Grosso (Indea – MT ), os abates de bovinos no Estado sofreram redução de 7,9% em março, na comparação com o mês anterior, totalizando 380,95 mil cabeças. “O Mato Grosso já demonstra os primeiros sintomas da paralisação de plantas frigoríficas”, comenta o boletim pecuário desta sexta-feira da Agrifatto.

Com várias plantas frigoríficas com operações paradas no MT, motivadas pelas incertezas em relação aos impactos ocasionados pelo novo coronavírus, o mês de abril deve reservar números ainda mais preocupantes”, avalia a consultoria.

Foco nas exportações

Câmara frigorífica tem ficado cheia por falta de demanda. Foto: Appa

No primeiro trimestre de 2020, o Brasil exportou 353,52 mil toneladas de carne bovina in natura, 5,1% superior a igual período de 2019. O volume embarcado é o maior registrado desde 2007, quando o Brasil se consolidou como um dos principais exportadores de carne bovina do mundo, segundo informa a consultoria FNP.

A receita, por sua vez, é recorde para o período trimestral, totalizando US$1,63 bilhão, um salto de 29,2% frente ao mesmo intervalo de2019. “Este valor é mais um indicativo da tendência de crescimento da representatividade do mercado externo no segmento pecuário brasileiro”, observa a FNP.

Preços regionais 

Na praça de São Paulo, em meio às dificuldades de vender carne no mercado doméstico, frigoríficos anunciaram a paralisação de algumas plantas, diminuindo o ritmo de compras. Com isso, o valor do boi gordo caiu R$ 2/@ nesta sexta-feira, para R$ 202/@, a prazo, segundo levantamento da FNP.

Os preços da boiada gorda também recuaram nas praças de Mato Grosso. “A indisponibilidade de matéria prima no Estado e a dificuldade de repassar a alta nos preços da arroba para o valor da carne no atacado fizeram com que os frigoríficos se ausentassem das compras, visando preservar margens operacionais”, avalia a consultoria.

Em Goiás, diz a FNP, a diminuição no volume de chuvas levou os pecuaristas a elevar a oferta do gado para abate, o que favoreceu a baixa nos preços. De forma semelhante, em Rondônia, mesmo oferecendo valores mais baixos, as indústrias encontram disponibilidade de animais e conseguiram fechar a escala da próxima semana.

Em Minas Gerais, os frigoríficos conseguiram, em sua maior parte, terminar as escalas já da segunda semana de abril e passaram a testar preços mais baixos, efetivando compras de pequenos lotes a patamares menores, de acordo com a FNP.

Confira as cotações desta quinta-feira, 3/4, de acordo com a FNP:

SP-Noroeste: R$ 202/@ a (prazo)

MS-Dourados: R$ 183/@ (à vista)

MS-C. Grande: R$ 185/@ (prazo)

MS-Três Lagoas: R$ 185/@ (prazo)

MT-Cáceres: R$ 179/@ (prazo)

MT-Tangará: R$ 179/@ (prazo)

MT-B. Garças: R$ 180/@ (prazo)

MT-Cuiabá: R$ 174/@ (à vista)

MT-Colíder: R$ 170/@ (à vista)

GO-Goiânia: R$ 190/@ (prazo)

GO-Sul: R$ 182/@ (prazo)

PR-Maringá: R$ 182/@ (à vista)

MG-Triângulo: R$ 190/@ (prazo)

MG-B.H.: R$ 187/@ (prazo)

BA-F. Santana: R$ 180/@ (à vista)

RS-P.Alegre: R$ 192/@ (à vista)

RS-Fronteira: R$ 189/@ (à vista)

PA-Marabá: R$ 187/@ (prazo)

PA-Redenção: R$ 185/@ (à vista)

PA-Paragominas: R$ 189/@ (prazo)

TO-Araguaína: R$ 184/@ (prazo)

TO-Gurupi: R$ 179/@ (à vista)

RO-Cacoal: R$ 168/@ (à vista)

RJ-Campos: R$ 187/@ (prazo)

MA-Açailândia: R$ 176/@ (à vista)

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Revista DBO | Pasto inteligente

Veja os destaques da edição de novembro e o ‘Especial Pastagem’; na capa, a formação de pastos multigramíneas, visando oferecer mais capim nas águas e reduzir a escassez na seca, é o novo horizonte das pesquisas

Revista DBO | Pasto inteligente

Veja os destaques da edição de novembro e o ‘Especial Pastagem’; na capa, a formação de pastos multigramíneas, visando oferecer mais capim nas águas e reduzir a escassez na seca, é o novo horizonte das pesquisas

Publieditorial

Cromo: Mineral essencial para bovinos de corte

O cromo é um dos principais minerais utilizados na nutrição de bovinos de corte em todas as fases da vida produtiva, e é reconhecidamente essencial para o organismo dos animais e humanos há mais de 40 anos.

Cromo: Mineral essencial para bovinos de corte

O cromo é um dos principais minerais utilizados na nutrição de bovinos de corte em todas as fases da vida produtiva, e é reconhecidamente essencial para o organismo dos animais e humanos há mais de 40 anos.

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.