Menu
Menu

Cadeias de aves e suínos só tem ração para animais até quinta

Segundo ministro, setores podem entrar em colapso caso a paralisação não se encerre logo

Em reunião encerrada na tarde desta terça-feira, 29, com o setor de proteína animal, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, comunicou que a cadeia produtiva tem condições de tratar os plantéis de aves e suínos apenas até esta quinta-feira, 1, caso a paralisação dos caminhoneiros não se encerre no curto prazo. “O setor, que é altamente encadeado e já está capengando (com a greve), pode entrar em colapso”, disse Maggi, após encontro paralelo durante o Fórum de Investimentos Brasil 2018, em São Paulo. Participaram da reunião o presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), Antônio Jorge Camardelli, e o vice-presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Rui Vargas.

Maggi ressaltou não estar fazendo este alerta para o governo, que já tem conhecimento da situação, mas para os caminhoneiros que ainda estão parados e também para a população, que corre risco de desabastecimento. “Deve-se alertar a população para o que está por vir pela frente”, disse ele, informando que a capacidade diária de abates de aves é de 23 milhões de aves, e provavelmente elas não serão abatidas. “Essas aves entrarão em colapso e vão morrer por falta de comida”, assinalou. “E se não tem como alimentar os animais e abater, vai faltar (carne) também para a população.” O ministro afirmou também que há risco de alta nos preços da carne de frango por causa da escassez que pode ocorrer, o que vai certamente afetar a população mais pobre, grande consumidora da proteína. Outra questão delicada, acrescentou, diz respeito ao setor de genética avícola, que o Brasil não só produz, como exporta. “Temos as bisavós, as avós e as matrizes, que vão gerar os ovos que serão os pintinhos e futuros frangos de corte”, explica. “Há preocupação imensa na cadeia com o risco de perda dessa genética.” Para o ministro, o País pode passar de exportador de carne e de genética avícola a importador, caso a cadeia “se quebre” se a paralisação dos caminhoneiros se prolongar. “Podemos demorar pelo menos dois anos e meio para recuperar essa genética; vamos perder a sequência do que nós conquistamos.”

Falando de forma bastante impositiva, o ministro alertou que se trata de uma situação muito delicada e pediu aos caminhoneiros que tenham consciência. “Há caminhoneiros que praticamente são reféns nas estradas e estão sendo impedidos de voltar a trabalhar com medo de depredarem o caminhão. Temos notícias disso”, relatou ele, defendendo que o governo use, a partir de agora, de “uma força mais forte” para retirar os bloqueios. “Não é o Brasil inteiro que está parado, são pontos que estão parados e que podem ser desobstruídos para essas mercadorias circularem.”

Quanto ao embargo das carnes bovina in natura e da carne de frango à União Europeia e a possibilidade de o movimento dos caminhoneiros de alguma maneira arranhar a imagem do País lá fora, Maggi disse que esses reflexos não são importantes agora. “Para exportar para a União Europeia e para os Estados Unidos precisamos ter produto para vender e hoje não temos”, disse. “O mais grave é que pode faltar alimento para a população brasileira. É disso o que eu estou falando.”

Fonte: ESTADÃO CONTEÚDO.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on tumblr
Tumblr
Share on print
Print

Veja também:

[banner-link-364-x-134-home-geral1]

Sustentabilidade é isso aí…

Hélio Casale destaca os esforços do agricultor na busca pela sustentabilidade e os principais temas abordados no 3º Fórum de Agricultura Sustentável

[banner-link-364-x-134-home-geral2]

[banner-link-364-x-134-home-geral3]

SOBRE A MÍDIA DBO

A DBO Editores Associados, fundada em junho de 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. O Portal DBO é uma plataforma digital com as principais notícias e conteúdo técnico dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da cobertura dos leilões de todo o Brasil.

ANUNCIE DBO

Acompanhe aqui o vídeo da edição mais recente da Revista DBO. Para ver os destaques das outras edições, basta clicar aqui.

ASSINE A REVISTA DBO

Revista DBO Ligue grátis: 0800 110618 (Segunda a sexta, das 08h00 às 18h00)

2018 DBO - Todos os direitos reservados

×
×

Carrinho