Setor lácteo gaúcho se preparou para mudanças em 2019

Esta é a avaliação da Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil/RS)
Wlademir Dall’Bosco Foto: Andréia Odriozola AgroEffective Divulgação
A avaliação da Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil/RS) é de que o ano de 2019 foi de crescimento no setor lácteo gaúcho, mesmo que pequeno, mas importante para a economia do Rio Grande do Sul, para o setor agroindustrial, assim como para a sociedade gaúcha.
O presidente da entidade, Wlademir Dall’Bosco lembra que foi um ano de muitas mudanças, como, por exemplo, na legislação, com a entrada em vigor das Instruções Normativas (INs) 76 e 77 que têm como foco, principalmente, os critérios de qualidade do leite. “E a cadeia produtiva gaúcha tem desempenhado de forma brilhante a busca por excelência na produção. O produtor, o setor de transporte e a indústria de transformação têm trabalhado com muita dedicação. Estão sendo feitos investimentos em estrutura, máquinas, equipamentos, além do lançamento de novos produtos”, observa.

O presidente da Apil/RS destaca que o setor lácteo gaúcho teve um ano de muito trabalho, mesmo com a economia brasileira crescendo, basicamente, 0,5%, mas com a indústria de transformação de leite no Rio Grande do Sul cumprindo com o seu papel e o produtor de leite também fazendo o dever de casa. “E isso é fundamental para o desenvolvimento desse segmento tão importante para o nosso Estado”, pontua.

Continue a leitura após o anúncio

Dall’Bosco reforça também que a busca por conhecimento foi outro fator que marcou o ano de 2019 dentro da Apil/RS. Lembra do roteiro técnico feito pela Europa, em outubro, quando um grupo de laticinistas saiu do Brasil para obter mais informações sobre o setor lácteo nos países que compõem a Comunidade Econômica Européia e traçar comparativos com o segmento brasileiro. “Esse conhecimento é fundamental num momento em que estamos na iminência de entrar em vigor o acordo Mercosul/União Européia. Por isso, é muito importante que estejamos preparados para competir nesse novo mercado”, salienta.

Para 2020, de acordo com o presidente da Apil/RS, a expectativa é de que a economia brasileira cresça ainda mais, o que é essencial para que a cadeia produtiva do leite também possa crescer em termos de produção e de arrecadação para o Estado. “As reformas que estão ocorrendo no Brasil abrem uma perspectiva de otimismo para esse crescimento. E o setor lácteo gaúcho está preparado e vivendo um momento de grande esperança”, ressalta o dirigente.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO