[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Sombra prejudica o capim em sistemas silvipastoris?

Pesquisa da Embrapa registrou queda na produção forrageira apenas quando as árvores reduziram a radiação solar em mais de 20%

Nos sistemas com arranjos de árvores mais densos, a receita com madeira deve compensar a redução na produção de carne.

Por Bruno C. Pedreira – Agrônomo e pesquisador da Embrapa Agrossilvipastoril

Com aumento da demanda global por alimentos, das pressões ambientais e da preocupação com os efeitos das mudanças do clima, a busca por sistemas de produção mais produtivos, eficientes e sustentáveis tem sido cada vez maior. No Brasil, apesar da redução na área de pastagens ocorrida nas últimas décadas, houve aumento do rebanho bovino e da produtividade. Esses ganhos são atribuídos, principalmente, à utilização de cultivares de forrageiras mais produtivas, à melhoria genética do rebanho, à maior eficiência no controle sanitário, ao aperfeiçoamento das técnicas de manejo das pastagens e do pastejo, e à adoção de modelos mais produtivos e eficientes.

Neste sentido, os sistemas silvipastoris têm sido adotados como uma estratégia sustentável de uso da terra, que apresenta alta capacidade de estocar carbono (acima e abaixo do solo), melhorar as características físicoquímicas do solo, aumentar a capacidade de retenção de água em camadas subterrâneas e reduzir seu escoamento na superfície. Além disso, eles contribuem para a redução das emissões de gases de efeito estufa e a melhoria do bem-estar animal, devido à presença de sombra, além de trazer vantagens econômicas, como a venda de produtos madeireiros ou créditos de carbono, em países que já têm esse tipo de mercado.

A integração entre animais, plantas forrageiras e floresta não é uma técnica nova, e tem sido contemplada em diversos lugares do mundo. Em um primeiro momento, ela surgiu como estratégia para controlar (por meio do pastejo) as forrageiras dos sub-bosques de florestas plantadas. No entanto, naquele momento, os animais eram apenas uma renda adicional para a atividade florestal. Com o tempo observou-se que havia grande potencial na associação das duas atividades (pecuária e florestal) para explorar de forma mais eficiente a área, maximizando a produção do sistema (carne, leite, madeira).

Efeito da sombra no capim

Atualmente, o sistema silvipastoril tem outra abordagem, porque procuramos inserir a árvore nas pastagens das propriedades tradicionalmente de pecuária. No entanto, apesar das vantagens e benefícios potenciais, se o sistema silvipastoril não for adequadamente dimensionado e manejado, a sombra da copa das árvores pode afetar negativamente as respostas fisiológicas do capim e diminuir o acúmulo de forragem, limitando todo o sistema. Sob sombreamento intenso, as taxas de fotossíntese podem ser bastante reduzidas. Portanto, um sistema silvipastoril bem manejado e com arranjo adequado deve ser capaz de manter a produtividade das pastagens em níveis equivalentes aos das “solteiras” (sem árvores).

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print

Veja também: