Sustentabilidade: não basta só produzir

As certificadoras proliferaram mundo afora, agregando valor aos alimentos, argumenta Décio Gazzoni
Inovação em agricultura

Por Decio Luiz Gazzoni

Até a segunda metade do século XX, a variável diretriz da demanda de produtos agrícolas era o crescimento populacional, e a demanda corria à frente da oferta. Com os avanços tecnológicos e consequente aumento da produtividade, tem sido progressivamente mais fácil atender a oferta quantitativa de alimentos. Ocorre que, no século XXI, o principal fator a impulsionar a demanda é o crescimento da renda per capita, que vem acompanhado de mais escolaridade, mais informação, mais consciência quanto à necessidade de desenvolvimento sustentável, o que qualifica a demanda. Paralelamente, pululam organizações de ativistas, com uma plêiade de bandeiras, que vão do bem-estar animal à demonização de determinadas técnicas agrícolas, o que provoca influência nas decisões de consumo. Ao fim e ao cabo, esse conjunto de fatores direciona a demanda de produtos agrícolas.

Em síntese, a sociedade urbana pressiona por sistemas agrícolas harmonizados com o meio ambiente, de forma que os impactos da produção sejam os menores possíveis e, além disso, aceitáveis pela sociedade – cujo sinônimo pode ser consumidores. A principal ferramenta para atender os anseios e exigências dos consumidores/sociedade é a certificação.

Existem diferentes tipos de certificação. De forma simplista, os governos nos impõem certificações através de normas obrigatórias, normalmente destinadas a controlar riscos à saúde humana e ao meio ambiente, como ocorre com os regulamentos dos agrotóxicos. As certificações privadas tanto podem reforçar normativas governamentais, como definir atributos organolépticos, de cor, forma, tamanho, peso, sabor, aroma etc.

Analisemos o exemplo da Mesa Redonda da Soja Responsável (RTRS, na sigla em inglês). Trata-se de uma organização da sociedade civil criada em 2007, com sede em Zurique, Suíça, que incentiva a produção, processamento e comercialização responsável da soja em nível global. Seus membros incluem os principais representantes da cadeia de valor da soja, e da sociedade civil, em escala global. A RTRS vislumbra a soja contribuindo para o atendimento das necessidades sociais, ambientais e econômicas da geração atual, sem comprometer os recursos e o bem-estar das gerações futuras. A missão da RTRS busca promover a produção de soja de maneira sustentável para diminuir os impactos sociais e ambientais, mantendo ou melhorando o nível econômico para o produtor.

Para obter a certificação, o produtor necessita cumprir um conjunto de boas práticas, como desmatamento zero e correta conservação de solo. A soja certificada pela RTRS ganha um bônus que pode chegar a cinco dó- lares por tonelada. O interesse vem crescendo e, no Brasil, foram certificadas 3,4 milhões de toneladas (Mt) em 2017, mais de 80% do total mundial. A previsão para este ano é superar 5 Mt, em escala global, o que é acanhado para a estimativa de superar 55 Mt antes do final da próxima década. A previsão é baseada no aumento do interesse dos compradores, hoje concentrados na Holanda, Suécia, Finlândia e Dinamarca. Porém, outros países têm ampliado suas compras de soja certificada, incluindo processadores para o mercado interno brasileiro.

Mais que um exemplo isolado, o caso da RTRS é uma clara tendência de futuro, que englobará todos os produtos agrícolas, e servirá como passaporte para ingresso no mercado dos países ricos, mais exigentes, porém dispostos a pagar mais por um produto/alimento com garantia de sustentabilidade.

*Matéria originalmente publicada na edição 104 da revista Agro DBO.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print

Notícias relacionadas:

[banner-link-364-x-134-home-geral1]

[banner-link-364-x-134-home-geral2]

[banner-link-364-x-134-home-geral3]

TV DBO

A DBO Editores Associados, fundada em junho de 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. O Portal DBO é uma plataforma digital com as principais notícias e conteúdo técnico dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Todos direitos reservados @ 2019 | Rua Dona Germaine Burchard, 229 | Bairro de Perdizes, São Paulo-SP

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!
×
×

Carrinho

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura: