Taxa de prenhez versus engorda: um falso dilema na IATF

Qualidade do produto a ser gerado pode ser mais importante que 2 a 4% a mais de prenhez
Foto: Cleyton Villarino.

A busca por melhores resultados no uso da inseminação artificial por tempo fixo pode mascarar perdas na qualidade da carne do produto que será gerado. A avaliação foi feita por Heitor Pinheiro Machado, gerente da Casa Branca Agropastoril, durante apresentação da tecnologia genômica adotada pela empresa, em Silvianópolis, MG. “Não acho que isso [taxa de prenhez] seja desprezível, mas esse não pode ser o único ponto de decisão, Para mim o ponto de decisão tem que ser a qualidade do produto que a aquele touro vai gerar”, explica Pinheiro Machado.

A empresa usa tecnologias que vão desde a tradicional fita métrica até ultrassom e testes de DNA para selecionar os melhores animais em seus programas de melhoramento genético. Segundo o gerente da Casa Branca, como é comum veterinários serem remunerados pela taxa de prenhez durante a IATF, também é comum que eles priorizem esse ganho em detrimento de outros que o produtor poderia ter apostando no melhoramento genético.

Continue a leitura após o anúncio

“A gente se obriga todo ano a produzir o melhor sêmen. Então o produtor começa a usar uma genética de 5 ou 6  anos atrás só porque aquele sêmen dá uma determinada taxa a mais de prenhez. Eu não acho que essa seja a melhor escolha”, observa Pinheiro Machado ao lamentar a perda em evolução genética que esses pecuaristas acabam se submetendo devido às más escolhas de seus técnicos e veterinários.

A consequência, aponta o gerente da Casa Branca, é um boi terminado com menor qualidade. “A gente conhece muito produtor que faz bezerros meio sangue, engorda e quando leva para o abate não dá a carcaça de qualidade de carne que precisa para receber as bonificações, e isso acontece muito. Quem perde é o produtor, porque não são todos que fazem isso. Às vezes, você ter 2% ou 4% a mais na taxa de prenhez pode ser um ganho que lá na frente não vai se realizar”, ressalta.

Para ele, a decisão final de qual genética a ser aplicada deve ficar sob responsabilidade do produtor (e não do profissional responsável pela inseminação). “A decisão tem que ser do produtor.”

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Revista DBO – Saindo na frente

Confira a edição de setembro, que traz o “Especial de Genética e Reprodução” com 7 reportagens exclusivas, além de outras 21 reportagens e análises sobre o mundo da pecuária

Revista DBO – Saindo na frente

Confira a edição de setembro, que traz o “Especial de Genética e Reprodução” com 7 reportagens exclusivas, além de outras 21 reportagens e análises sobre o mundo da pecuária

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO