Tereza Cristina diz querer ter Plano Safra 2021/22 melhor do que o de 2020/21

Ministra da Agricultura destacou intenção de atender "o maior número de produtores", em especial os pequenos e médios
Foto: Myke Sena/ANBA

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou nesta terça-feira (23/2) que pretende lançar um Plano Safra 2021/22 “melhor” do que o apresentado para a safra 2020/21.

Vamos fazer o possível para que este Plano Safra (2021/22) atenda o maior número de produtores, mantendo o foco do ministério no pequeno e médio produtor“, disse Tereza Cristina no lançamento oficial do custeio antecipado da safra 2021/22 do Banco do Brasil, sem detalhar de que forma a pasta pretende incrementar o plano.

Saiba mais:
Banco do Brasil anuncia liberação de R$ 16 bilhões para custeio antecipado da safra 2021/22
Caixa tem R$ 12 bilhões para o agro no primeiro semestre
“De julho a dezembro, liberamos R$ 54,7 bilhões para o agro”, diz vice-presidente do Banco do Brasil

A ministra ainda reforçou que as contrações de crédito na safra 2020/21 (entre julho de 2020 e janeiro deste ano) já somam R$ 135,4 bilhões, 17% a mais do que em igual período da safra passada. Do montante, R$ 72,7 bilhões (13%) se destinaram ao custeio da produção.

Tereza Cristina mencionou que os recursos do programa ABC, voltados a atividades de recuperação de áreas e redução de emissões de gases de efeito estufa, já terminaram, mas celebrou que mais de 50 milhões de hectares tenham sido recuperados, entre pastagens degradadas e áreas em que foi adotado o sistema Integração Lavoura Pecuária Floresta (ILPF).

“Sustentabilidade é um tema importantíssimo hoje e não pode estar fora do (radar do) produtor rural brasileiro”, comentou a ministra da Agricultura.

Na cerimônia do BB, ela voltou a falar da necessidade do setor de contar com “cada vez de mais parceiros” de crédito rural “acreditando no nosso negócio”, assim como “crédito novo”. Destacou ainda a importância da oferta de recursos para produtores anteciparem a compra de insumos para a próxima safra com preços mais baixos agora.

Como nesta época um grande número de caminhões segue das regiões produtoras para os portos do país, os veículos podem retornar com fertilizantes e outros insumos para as áreas de produção, diminuindo o custo do frete para a indústria de insumos e, consequentemente, para os produtores.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

As apostas são altas para o futuro da produção de carne no Brasil. Veja o que dizem as lideranças ouvidas para o Especial Perspectivas 2021 do Anuário DBO. Assista:

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.