Uisa vai investir R$ 53 milhões para entrar em segmento de nutrição animal

A unidade deve produzir quatro tipos de levedura: integral (padrão), autolisada (premium), hidrolisada (super premium) e parede celular (também super premium)

A Uisa, companhia do setor sucroenergético com maior capacidade de moagem do Centro-Oeste, vai diversificar seu portfólio e entrar no mercado de nutrição animal. A companhia construirá uma planta para produzir levedura seca – usada como suplemento na ração animal pelo seu alto teor proteico – a partir do resíduo da fabricação de etanol.

A expectativa é de investimento de aproximadamente R$ 53 milhões e capacidade de produção de 9,6 mil toneladas por ano. A unidade, que terá área de 3,6 mil metros quadrados, será anexa à usina da empresa, que fica em Nova Olímpia (MT), e as obras devem terminar até abril de 2023. Com a planta, a Uisa espera receita de R$ 30 milhões por ano.

“Para nós, a usina não é só uma usina, é uma plataforma de recuperação de carbono produzida de forma barata no campo”, afirmou o CEO da Uisa, José Fernando Mazuca Filho. “Ao produzir etanol, a emissão de gases de efeito estufa é evitada; já com a levedura, há um adensamento da cadeia pecuária. É possível ter menos animais com a mesma produção, reduzindo a emissão de metano. Tudo que fazemos tem caráter de descarbonização e diversificação de receita.”

A unidade deve produzir quatro tipos de levedura: integral (padrão), autolisada (premium), hidrolisada (super premium) e parede celular (também super premium). Ela deve ser a maior de Mato Grosso, Estado com o maior rebanho de bovinos do País.

VEJA TAMBÉM | Pele de amendoim vai ao cocho

A fabricação do componente de ração animal é parte dos planos de expansão da Uisa, que também pretende construir uma unidade de etanol à base de milho. “Temos um projeto avançado com licença prévia para a instalação de uma planta”, afirma Mazuca. “O Capex é interessante dadas as sinergias que temos, e, pela nossa localização, estamos próximos de milho barato.”

A empresa planeja expandir a capacidade de produção do biocombustível em 270 mil metros cúbicos, ou 270 milhões de litros, com a nova unidade de produção a partir do milho. “Hoje temos capacidade de 300 mil metros cúbicos; e com a expansão de capacidade da moagem de cana-de-açúcar que estamos planejando, chegaria a 450 mil. Com o milho, teríamos mais 270 mil”, diz o executivo.

Além da expansão orgânica, a companhia também analisa propostas de fusões e aquisições (M&A, na sigla em inglês). “Por natureza dos investidores e minha, temos uma agenda de M&A relativamente ativa”, diz Mazuca. “Não quero necessariamente comprar uma usina, mas sim fazer um bom negócio. Sou acessado por bancos para olhar oportunidades e analisamos todas com carinho.”

A abertura de capital na bolsa também está nos planos. “No início do ano passado fomos muito acessados por bancos de investimento. Observamos o mercado, tivemos conversas com fundos e investidores, mas decidimos que não era o momento”, afirma o CEO. Ele ressalta que a governança está pronta para um IPO.

“Este ano é ano eleitoral, e em anos eleitorais o mercado de capitais não costuma andar bem”, observa. “Precisamos ver o cenário eleitoral, o que o cenário político traz e o que o mercado financeiro vai trazer. Na nossa visão, este ano não é o ano; já para o ano que vem, vai depender do que a política nos reservar.”

A Uisa teve receita bruta de R$ 1,2 bilhão nos nove primeiros meses da safra 2021/22, com lucro líquido de R$ 367 milhões no período, 119,9% a mais do que no mesmo intervalo da safra anterior. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ficou em R$ 655 milhões.

VEJA TAMBÉM | Silagem de soja úmida é viável?

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Revista DBO | Ele quer todo gado na sombra

VEJA os destaques da edição de maio e o Especial Instalações e Equipamentos; na capa, a Agropastoril Campanelli investe em cobertura metálica dos currais e comprova ganho de mais de meia arroba por animal engordado na sombra

Revista DBO | Ele quer todo gado na sombra

VEJA os destaques da edição de maio e o Especial Instalações e Equipamentos; na capa, a Agropastoril Campanelli investe em cobertura metálica dos currais e comprova ganho de mais de meia arroba por animal engordado na sombra

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.