USDA divulga metas para rastreabilidade de doenças

Para órgão dos EUA, é necessário um sistema abrangente para melhor proteção contra surtos
Foto: CNA

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) anunciou quatro metas abrangentes para aumentar a rastreabilidade de doenças animais para proteger a saúde em longo prazo, a comercialização e a viabilidade econômica da indústria pecuária norte-americana.

Segundo nota do USDA, o subsecretário para os Programas de Regulamentação e Marketing do USDA, Greg Ibach, afirmou que um sistema abrangente é necessário para a melhor proteção contra um surto potencialmente devastador, como de febre aftosa, por exemplo.

Continue a leitura após o anúncio

“Temos uma responsabilidade para com esses produtores e a agricultura americana como um todo para tornar a rastreabilidade de doenças animais o que deveria ser: um sistema moderno que rastreia animais desde o nascimento até o abate usando tecnologia acessível, que permite ao USDA rastrear rapidamente animais doentes e expostos para impedir que as doenças se espalhem”, disse Ibach no comunicado.

As quatro metas do USDA para aumentar a rastreabilidade são:

– Promover o compartilhamento eletrônico de dados entre autoridades federais e estaduais de saúde animal, veterinários e indústria, incluindo o compartilhamento de dados básicos de rastreabilidade de doenças animais com o repositório federal de eventos de saúde animal (AHER);

– Uso de identificadores eletrônicos para animais que requerem identificação individual para tornar a transmissão de dados mais eficiente;

– Melhorar a capacidade de rastrear animais do nascimento ao abate através de um sistema que permita a conexão das etapas de rastreamento;

– Elevar a discussão com os Estados e a indústria para trabalhar em direção a um sistema em que os certificados de saúde animal sejam transmitidos eletronicamente de veterinários particulares para autoridades estaduais de saúde animal.

O USDA reconhece que alguns setores da indústria pecuária já investiram muito em infraestrutura para desenvolver programas de rastreamento e afirma que esses novos objetivos complementam o que esses segmentos já estão fazendo e que eles ajudarão a aumentar a rastreabilidade por toda a cadeia.

O Departamento começará a implementar as metas no ano fiscal de 2019. A agência disse que trabalhará com os Estados e a indústria para estabelecer padrões de referência apropriados para mostrar progresso.

Identificadores eletrônicos

O USDA disse que não exigirá o uso de identificadores específicos. Os dispositivos eletrônicos permitirão que os animais se movimentem mais rapidamente através de portos, mercados e vendas, e também ajudarão a garantir uma resposta rápida quando ocorrer um evento de doença, disse a agência. Para ajudar na transição para a identificação eletrônica, o USDA disse que está encerrando o programa gratuito de identificadores de metal e, em vez disso, colaborará com participação nos custos de identificadores eletrônicos.

Fonte: Allflex.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO