USDA traça quadro otimista para o agronegócio brasileiro

País é o terceiro maior exportador mundial de produtos agrícolas, atrás apenas da União Europeia e dos Estados Unidos

Períodos prolongados de depreciação da moeda, baixos custos de energia e taxas de juros, aumento da demanda por matérias-primas para biocombustíveis e flutuações macroeconômicas ajudaram o Brasil a emergir como um dos principais competidores dos EUA nos mercados agrícolas globais, relata reportagem publicada nesta quarta-feira pelo portal norte-americano Feedstuffs, baseada em novo um relatório divulgado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

O Brasil é hoje o terceiro maior exportador mundial de produtos agrícolas, atrás apenas da União Europeia (UE) e dos EUA.

Os autores do relatório do USDA observaram que o valor agregado agrícola brasileiro cresceu em média 3,4% ao ano nas últimas duas décadas, com a produção agrícola dobrando e a produção pecuária avançando. Ao mesmo tempo, o Brasil emergiu como um importante exportador para os mercados internacionais de grãos, oleaginosas e carnes – competindo diretamente com os Estados Unidos.

“As exportações agrícolas do Brasil, incluindo produtos processados, cresceram 12% ao ano desde 2000 e representam 37% das exportações totais do Brasil. Consequentemente, o Brasil é hoje o maior exportador mundial de soja, carne de frango, carne bovina, café, açúcar e suco de laranja”, observou o USDA.

A desvalorização da moeda, em particular, desempenhou um papel importante em sua posição, sugeriu o relatório. “Como as commodities brasileiras exportadas são cotadas em dólares, a desvalorização da moeda local do Brasil, o real, significa que os agricultores brasileiros receberam mais reais para cada dólar de receita de exportação”, justifica o departamento.

Dessa forma, as vendas para exportação se tornaram mais lucrativas, estimulando a expansão das áreas agrícolas e a adoção de técnicas para aumentar a produtividade. O USDA disse que a produção e as exportações agrícolas brasileiras, que devem continuar a florescer na próxima década, podem crescer ainda mais rapidamente com a depreciação acelerada da moeda. Fonte: Feedstuff.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.