[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

“Vaca louca” continua assombrando o setor

Mesmo na forma atípica, ela causa prejuízos consideráveis. Estimativa de perda de receita com exportação de carne bovina, tendo-se setembro de 2020 como parâmetro, seria de US$ 296,4 milhões

Foto: Dhiony Costa e Silva

Por Renato Villela

O “mal da vaca louca” voltou a assombrar a cadeia da carne bovina. A confirmação de dois casos atípicos da EEB (Encefalopatia Espongiforme Bovina), nos municípios de Colíder (MT) e Campo Azul (MG), no dia 3 de setembro, provocaram a imediata suspensão das exportações para a China e, dias depois, para a Arábia Saudita (estas já retomadas). Principal comprador da carne brasileira, a China foi responsável por 54,3% do total exportado pelo País até o mês de agosto.

Considerando-se a quantidade diária exportada para o país no mês de setembro do ano passado, que foi de 70.768 t, com faturamento de US$ 296,4 milhões, o Brasil, com 30 dias sem exportar, perdeu bastante dinheiro, a menos que os frigoríficos tenham conseguido direcionar as vendas para Hong Kong.

VEJA TAMBÉM | 30 dias sem a China

O mercado interno também sentiu o baque. Com o consumo doméstico nas cordas – por causa da economia em recessão –, a ausência da China foi um golpe difícil de assimilar. Em São Paulo, a arroba caiu R$ 8 entre os dias 3 e 24 de setembro, retração de 2,6%.

“Num boi de [email protected], representa uma perda de R$ 152. Para uma boiada de 1.000 cabeças, o produtor deixou de ganhar R$ 152 mil”, exemplifica Alcides Torres Júnior, o Scot, da Scot Consultoria, de Bebedouro, SP. A novilha gorda teve a mesma desvalorização no período.

A vaca gorda, por sua vez, sofreu ainda mais, com recuo de 3,7% no período, o que significou uma perda de R$ 10,50/@, segundo dados da consultoria.

Diante desse cenário de perdas, que afeta indústria e, principalmente, os produtores, e que se repete a cada novo caso atípico do mal da vaca louca. É a quinta ocorrência dessa forma da doença no País, o setor começa a se fazer alguns questionamentos: por que esses casos têm se sucedido, afinal?

Como é a manifestação da EEB atípica noutras partes do mundo? Os protocolos comerciais, especialmente os firmados com os chineses, podem ser revistos para retirada da cláusula que estabelece a interrupção imediata das exportações em casos atípicos da doença? Há algo que possa ser feito internamente, do ponto de vista da vigilância epidemiológica?

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

This post is only available to members.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print
2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.