Vacinação contra brucelose atinge recorde em São Paulo em 2020

Aplicação é obrigatória no Estado desde 2002 e é feita uma única vez na vida de fêmeas bovinas e bubalinas

O Estado de São Paulo registrou recorde anual de cobertura vacinal contra a brucelose, com 95,71% das fêmeas bovinas e bubalinas, com idade entre 3 a 8 meses, vacinadas em 2020. O desempenho supera o índice do ano anterior que foi de 95,27%. Os dados são do sistema informatizado Gestão de Defesa Animal e Vegetal (Gedave), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento vinculado à Coordenadoria de Defesa Agropecuária.

A vacinação contra a brucelose é obrigatória no Estado desde 2002 e é feita uma única vez na vida das fêmeas bovinas e bubalinas, com idade entre 3 a 8 meses. A declaração no sistema deve ser feita a cada semestre.

A secretaria informa que a brucelose é uma doença que acomete os animais e o homem. Ela é infecto-contagiosa causada pela bactéria Brucella abortus. Nos bovinos pode causar aborto; nascimento de bezerros fracos; retenção de placenta; repetição de cio e descargas uterinas com grande eliminação da bactéria, além de inflamação nos testículos.

Maior produção de antígenos

O Instituto Biológico (IB) aumentou a produção de imunobiológicos, antígenos utilizados para diagnóstico de brucelose e tuberculose em animais. Em 2020, o Instituto produziu 5.484.430 doses de imunobiológicos, um aumento de 20% em relação a produção de 2019. O IB é a única instituição brasileira autorizada a produzir este insumo no Brasil.

“O recorde na vacinação de brucelose e no uso de antígenos para o diagnóstico de doenças importantes mostra que o produtor e o setor estão atentos e que não se descuidaram durante a pandemia”, afirma o veterinário do IB, Ricardo Spacagna Jordão. Ele explica que a diferença entre os imunobiológicos usados para diagnósticos e a vacina está em que para diagnóstico é usado um produto com bactéria morta e a vacina, no caso da brucelose, com bactéria viva.

Na relação abaixo estão o quantitativo de fêmeas bovídeas com idade entre 3 a 8 meses existentes no segundo semestre de 2020 do Estado de São Paulo; o número de animais vacinados; e o índice de imunização em cada regional de Defesa Agropecuária (EDA).

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

As apostas são altas para o futuro da produção de carne no Brasil. Veja o que dizem as lideranças ouvidas para o Especial Perspectivas 2021 do Anuário DBO. Assista:

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.