[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Vacinas da brucelose e das clostridioses não vão bem juntas

Estudo mostra que animais vacinados ao mesmo tempo contra as duas doenças apresentaram menor nível de anticorpos contra o Clostridium

Pesquisa constatou que apenas 16,6% dos animais que receberam as vacinas juntas tiveram boa imunidade contra a pior das clostridioses, o botulismo.

Por Renato Villela

Vacinar bezerras, ao mesmo tempo, contra brucelose e clostridioses não é recomendável. A conclusão é de um estudo conduzido pela Escola Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), pela Escola Veterinária da Universidade Federal de Lavras (UFLA) e a Embrapa Gado de Leite, de Juiz de Fora, MG.

Sandra Gesteira Coelho, professora da UFMG.

O trabalho comparou o impacto de diferentes estratégias de vacinação sobre o consumo de alimentos pelos bovinos, seu ganho de peso e sua resposta imune. O resultado foi muito interessante e acendeu um pisca-alerta: houve nítida redução no valor médio de proteção contra a enterotoxemia e o botulismo, duas das principais clostridioses que atacam o rebanho. “Isso é preocupante e indica a necessidade de se rever o protocolo de vacinação das fêmeas”, afirma Sandra Gesteira Coelho, professora da UFMG.

VEJA TAMBÉM | Prazo para suspender vacinação contra a aftosa gera embate

Segundo ela, a ideia de fazer o experimento surgiu em função das queixas de produtores de que os animais paravam de se alimentar e, consequentemente, perdiam peso após o manejo vacinal. Nesses relatos, não foram especificadas quais vacinas eram aplicadas. “Ao ouvir os depoimentos, ficamos preocupados, já que a vacina protege animais e humanos; decidimos, então, fazer a pesquisa para avaliar o impacto do imunizante”, diz.

Segundo a professora, a decisão de quais vacinas usar no estudo foi tomada em função da importância tanto da brucelose (cuja vacinação é obrigatória), quanto das clostridioses, que causam sérios danos à pecuária.

“Na maioria das fazendas do País, esses imunizantes são ministrados juntos, para facilitar o manejo. Queríamos saber se essa prática era adequada ou poderia ser essa fonte dos transtornos relatados pelos pecuaristas”, explica Sandra.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

This post is only available to members.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print
2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.