VBP do Agro é de R$ 539 bilhões

Melhor desempenho foi obtido pela colheita recorde de grãos e preço de produtos como o algodão e a cana-de-açúcar

Com base nas informações de novembro e o ano praticamente encerrado, o Valor Bruto da Produção (VBP) está estimado em R$ 539 bilhões para 2017, situando-se 1,87% acima do valor de 2016, de R$ 529,2 bilhões. As lavouras alcançaram R$ 364,7 bilhões e a pecuária, R$ 174,4 bilhões. Enquanto as principais lavouras tiveram aumento de 4,97% no valor, devido ao bom resultado da safra de 2017, a pecuária teve redução de 4,1% no faturamento.

O resultado se deve principalmente ao desempenho desfavorável das carnes bovina e de frango, cujos preços ficaram abaixo do ano anterior, observa o coordenador-geral de Estudos e Análises da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, José Garcia Gasques. “A redução do preço da carne bovina foi forte, pasando de R$ 147,3 por arroba, em 2016, para R$138,2, em 2017. Na carne de frango o preço do quilo caiu de R$ 4,10 para R$ 3,64.”

Os principais fatores de destaque neste ano foram os bons resultados da safra de grãos e os preços que se mantiveram abaixo do ano passado na maior parte dos produtos analisados. Tiveram melhores resultados o algodão, cujo valor da produção aumentou 72,9%, a cana de açúcar (28,4%), mandioca (87,9%) e uva (52,2%). Também apresentaram bom desempenho o milho, soja, laranja e arroz. Na pecuária, suínos e leite também tiveram ganho real de 9,7% e 9,9%, respectivamente.

Um conjunto de produtos apresenta neste ano forte redução no faturamento. Destacam-se a banana (-25,9%), batata inglesa (-48%), cacau (-27,9%), café (-14%), cebola (-48%), feijão (-24,7%), mamona (-40,1%), trigo (-37,5%) e maçã (-22,1%). A redução de preços de alguns produtos teve impacto na redução da taxa de inflação de 2017, pois classificam-se no grupo de cereais leguminosas e oleaginosas que têm destacada participação no grupo alimentação.

O resultado do VBP regional mostra, como em relatórios anteriores, que o maior valor continua sendo obtido no Sul (R$ 142,5 bilhões), seguido do Centro-Oeste (R$ 139,9 bilhões), Sudeste (R$ 137,1 bilhões), Nordeste (R$ 50,3 bilhões) e Norte (R$ 32,9 bilhões).

Prognóstico para 2018 – Prognósticos para a próxima safra de grãos, da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e do Ibge, dos últimos meses, indicam que a safra 2018 deverá ser menor do que a deste ano. A Conab indica redução de 4,7% e, O IBGE, de 9,2%.

O declínio, deve-se principalmente a menor produção de milho e soja. De acordo com o coordenador-geral de Estudos e Análises, as estimativas do VBP para 2018 também indicam redução de 6,9%, em relação a 2017. “Redução forte do valor está previsto nas lavouras (-10,8%) e de – 1,4% na pecuária”. Nesse setor da pecuária, observa Gasques, há previsões mais otimistas para carne bovina e frango.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

As apostas são altas para o futuro da produção de carne no Brasil. Veja o que dizem as lideranças ouvidas para o Especial Perspectivas 2021 do Anuário DBO. Assista:

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.