Vidas em risco, em troca de costeletas de porco

Autoridades de saúde alertam: corrida para a produção total pode causar uma segunda onda de infecções nas equipes de plantas frigoríficas

Após a ordem executiva recente do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, as indústrias de carnes estão reabrindo nos Estados Unidos. Elas podem fazer isso sem colocar em risco os seus trabalhadores e as suas comunidades?, indaga reportagem do jornal New York Times desta segunda-feira, 11 de maio, intitulada “Costeletas de porco versus pessoas: combatendo o coronavírus em uma fábrica de carne de Iowa”.

Unidade da Tyson, em Waterloo. Fonte: divulgação

Em 10 de abril, Tony Thompson, responsável pelo condado de Black Hawk em Iowa, visitou a gigante fábrica de suínos da Tyson Foods em Waterloo.  Ele viu funcionários, muitos deles imigrantes, espremidos, trabalhando de “cotovelo em cotovelo”, enquanto quebravam carcaças de porco que passavam em uma esteira rolante. Os poucos funcionários que tinham coberturas faciais usavam uma variedade heterogênea de bandanas, máscaras de pintores ou até máscaras de sono esticadas em volta da boca. Alguns tinham máscaras penduradas no pescoço.

Thompson e outras autoridades locais fizeram lobby com Tyson para fechar a fábrica, preocupada com um surto de coronavírus. Em um telefonema de 14 de abril, as autoridades de saúde do condado pediram que a Tyson fechasse temporariamente a fábrica, mas o próprio governador de Iowa se recusou a fechar a instalação.  “A fábrica de Waterloo está funcionando”, disse a Tyson, em mensagem de texto aos funcionários em 17 de abril. “Obrigado aos membros da equipe! NÓS ESTAMOS ORGULHOSOS DE VOCÊ!” Cinco dias depois, a fábrica foi fechada. Tyson disse que o motivo era “absenteísmo do trabalhador”, além de um aumento nos casos de Covid-19.

Na última quinta-feira, o departamento de saúde do condado havia registrado 1.031 infecções por coronavírus entre os funcionários da Tyson – mais de um terço da força de trabalho. Alguns estão em ventiladores. Três morreram, segundo a Tyson.

Unidade de processamento da Tyson. Fonte: divulgação

A fábrica em Waterloo não ficou fechada por muito tempo. À medida que a escassez de carne atinge supermercados e restaurantes de fastfood, a pressão política aumenta para que as dezenas de plantas em todo o país que foram fechadas (devido a surtos de coronavírus) voltem a funcionar. Depois que uma ordem executiva do presidente Trump declarou o suprimento de carne como “infraestrutura crítica” e protegeu as empresas de certa responsabilidade, a Tyson reabriu as suas instalações em Waterloo, na quinta-feira.

Novas precauções de segurança foram adicionadas, como barreiras de acrílico ao longo da linha de produção, scanners de temperatura por infravermelho para detectar febres e escudos e máscaras para os trabalhadores. Agora, a pergunta é: o apetite da América por carne será saciado sem exércitos doentios de trabalhadores com baixos salários e de suas comunidades, em novas ondas de infecção?

Os trabalhadores e seus advogados dizem que as ações de Tyson – e as recentes diretrizes federais de segurança – chegaram tarde demais. Eles apontam para lapsos que Tyson fez nas primeiras três semanas de abril, quando o vírus se espalhou amplamente pela fábrica de Waterloo.

Como executivos de alto nível fizeram lobby na Casa Branca para ajudar a proteger Tyson de ações judiciais, a empresa falhou ao não fornecer equipamento de segurança adequado aos trabalhadores de Waterloo e recusou os pedidos das autoridades locais para fechar a fábrica, de acordo com mais de duas dezenas de entrevistas com funcionários da fábrica, defensores dos direitos dos imigrantes, médicos, advogados e funcionários do governo.

Enquanto a Tyson começou a mudar as suas políticas de benefícios de invalidez a curto prazo no final de março para incentivar os trabalhadores doentes a ficarem em casa, muitos funcionários não tinham certeza das regras e alguns foram trabalhar doentes para evitar perder salários. Rumores e desinformação se espalham entre os trabalhadores, muitos dos quais não são falantes nativos de inglês. Quando a força de trabalho diminuiu, o medo tomou conta da fábrica.

À frente, Steve Stouffer, chefe das operações de carne bovina e suína da Tyson. Foto: divulgação

Steve Stouffer, chefe das operações de carne bovina e suína da Tyson, disse em entrevista que a empresa tomou as melhores decisões de segurança que pôde em uma situação em rápida evolução. Mas ele reconheceu que a empresa poderia ter feito mais. “Olhando pelo espelho retrovisor, você sempre pode ser melhor”, disse ele.

Thompson disse que estava grato pelas novas precauções de segurança, mas que Tyson demorou a agir. “O que é mais importante?”, indagou ele. “Suas costeletas de porco ou as pessoas que estão contraindo Covid, as pessoas que estão morrendo com isso?”.

Medo e pânico

A fábrica de Waterloo é a maior operação de suínos da Tyson nos Estados Unidos, responsável por quase 4% do suprimento de carne suína do país. Antes da pandemia, operava 24 horas por dia, produzindo até 19.500 suínos por dia em cortes de carne que viajavam em uma frota de caminhões por todo o país.

Durante uma teleconferência em 9 de março, os líderes sindicais da indústria da carne discutiram como espalhar trabalhadores nas fábricas e tomar outras precauções para evitar um surto da Covid-19. Mas, na época, o problema parecia muito distante do leste de Iowa, disse Bob Waters, presidente do sindicato local da fábrica de Waterloo.’

“Achamos que poderia vir, mas esperávamos que não acontecesse”, disse ele. Iowa, como vários outros estados do Centro-Oeste, nunca emitiu uma ordem de estadia em casa em todo o estado.  No início de abril, no entanto, o centro de operações de emergência de Black Hawk County começou a receber reclamações sobre condições perigosas na fábrica. Os trabalhadores e seus familiares relataram falta de equipamento de proteção e protocolos de segurança insuficientes, e disseram que os funcionários estavam começando a dar positivo para o vírus.

A Tyson havia adotado algumas precauções. Em março, começou a verificar a febre dos trabalhadores quando eles entraram na fábrica e relaxou suas políticas, para que os que apresentassem resultados positivos ou se sentissem indispostos recebessem uma parte de seu salário, mesmo que ficassem em casa.

Mas os trabalhadores ainda estavam amontoados no chão da fábrica, na lanchonete e no vestiário, e a maioria não usava máscara. A Tyson disse que ofereceu bandanas de pano aos trabalhadores que pediram, mas quando tentou comprar equipamentos de proteção, os suprimentos eram escassos. Pelo menos um funcionário vomitou enquanto trabalhava na linha de produção e vários deixaram a instalação com temperaturas elevadas, de acordo com um trabalhador que falou sob condição de anonimato por medo de perder o emprego.

Por causa das leis de privacidade dos pacientes, Tyson e o sindicato tiveram dificuldade em obter informações sobre quais trabalhadores deram positivo, dificultando seus esforços para isolar colegas em contato próximo com eles. Os funcionários mais velhos, assim como aqueles com asma ou diabetes, ficaram cada vez mais com medo de entrar na fábrica. “Foi realmente um momento de medo e pânico”, disse o representante estadual Timi Brown-Powers, que trabalha em uma clínica especializada em tratamento do coronavírus, em Waterloo. “Eles não estavam praticando nenhum tipo de distanciamento social”.

A Tyson empregou intérpretes para se comunicar com sua força de trabalho diversificada, que inclui imigrantes da Bósnia, México, Mianmar e República do Congo. Mas desinformação e desconfiança se espalham. Um trabalhador que morreu havia tomado Tylenol antes de entrar na fábrica para diminuir a sua temperatura o suficiente para passar na triagem, com medo de que a falta de trabalho significasse renunciar a um bônus, disse uma pessoa que conhece a família do trabalhador e que falou sob a condição de anonimato para proteger sua família.

Os trabalhadores da fábrica ficaram confusos com o motivo de tantos colegas parecerem estar ficando doentes e faltando ao trabalho. Os supervisores disseram a eles que era a gripe, alguns os alertaram para não falar sobre o vírus no trabalho. Em uma declaração por e-mail, a Tyson disse que “trabalhou com as informações disponíveis para na época para ajudar a manter os membros da nossa equipe em segurança”. A empresa disse que informações anteriores do Departamento de Saúde do Condado de Black Hawk teriam ajudado na tomada de decisões.

Kim Reinolds, governadora do estado de Iowa. Foto: divulgação

Tony Thompson, o responsável pelo condado de Black Hawk, em Iowa, além de outros políticos locais, começou a fazer lobby com Tyson e o governador Kim Reynolds para uma paralisação. O governador ficou do lado de Tyson. Reynolds emitiu uma ordem executiva em 16 de abril, declarando que apenas o governo do estado, e não os governos locais, tinha autoridade para fechar negócios no nordeste de Iowa, incluindo a fábrica de Waterloo. “Estamos nos certificando de que a força de trabalho esteja protegida e, o mais importante, mantendo a cadeia de suprimento de alimentos em movimento”, disse.

Mas o número de infecções continuou a aumentar. A Tyson disse que começou a encerrar as operações em 20 de abril. Mas a fábrica não fechou completamente até 22 de abril, depois que a empresa processou as carcaças de suínos restantes em seu refrigerador.

Depois que a fábrica foi fechada, a empresa convidou os funcionários a voltar para os testes de coronavírus. Mas esse processo pode ter infectado mais trabalhadores, disse Christine Kemp, diretora executiva de uma clínica de saúde local. Os funcionários se amontoavam do lado de fora da fábrica. Alguns saíram sem serem testados, com medo de pegar o vírus. A Covid-19 já havia se espalhado pela comunidade, inclusive para um lar de idosos onde vários trabalhadores são casados ​​com funcionários da Tyson.

Reabrindo a planta

Os riscos políticos da reabertura em Waterloo são altos. Com o suprimento de carne interrompido em todo o país, a Casa Branca pressionou Tyson e outras empresas de carne a continuar operando. E as autoridades de Tyson tiveram muitas chances de expressar preocupações, jantando na Casa Branca e participando de várias ligações com o presidente e o vice-presidente nos últimos meses. Desde que emitiu a ordem executiva em 28 de abril, Trump rapidamente declarou que a cadeia de suprimentos está de volta aos trilhos.

No entanto, essa reabertura de plantas pode ter que prosseguir aos trancos e barrancos. Os executivos da Tyson alertaram que levaria tempo para voltar ao normal. A fábrica de Waterloo reabriu na quinta-feira com cerca de 50% da capacidade. Stouffer, executivo da Tyson, disse esperar que o pior já passou. Mas as autoridades de saúde alertam que a corrida para a produção total pode causar uma segunda onda de infecções. “A história será o juiz, eventualmente”, disse Stouffer. “Mas nós tentamos muito, toda a nossa equipe, toda a organização, fazer a coisa certa.” Fonte: New York Times, adaptado por Denis Cardoso

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.