Virada para julho traz alta do boi no embalo

Oferta enxuta e possível recuperação do consumo interno de carne ajudam na forte de valorização da arroba

Com a entrada de massa salarial neste início de julho, o consumo interno de carne bovina deve melhorar, o que pode intensificar o movimento de alta no mercado de boi gordo, preveem analistas. Ao mesmo tempo, a reabertura de restaurantes e bares em São Paulo (e também em alguns outros importantes centros urbanos) também pode contribuir para o aumento da demanda pela proteína ao longo do próximo mês.

Continue a leitura após o anúncio

Segundo a Informa Economics FNP, nesta segunda-feira (29/6), em algumas regiões do Brasil, as indústrias frigoríficas atuaram de forma ativa nas negociações, elevando os valores oferecidos pela boiada gorda para conseguir preencher as escalas de abate. “Mesmo com a arroba valorizada, a maioria dos compradores de gado encontra dificuldades para preencher as programações”, avalia a consultoria.

Diante da oferta restrita de boiada, continua a FNP, os pecuaristas que ainda dispõem volumes maiores de lotes pouco se posicionaram nas vendas neste período final do mês, na tentativa de receber preços ainda mais altos no curtíssimo prazo.

De forma generalizada, a arroba da boiada gorda segue sob forte especulação altista, ressalta a consultoria FNP. No atacado, depois de ajustes positivos na última quinta-feira, os preços dos principais cortes bovinos ficaram estáveis nesta segunda-feira.

Giro por algumas praças

Nas praças da região Norte do País, as escalas de abate são preenchidas para amanhã e quarta-feira. Diante de enorme dificuldade na aquisição de grandes lotes de gado, os preços oferecidos reagiram no Tocantins e em Rondônia, de acordo com apuração da FNP.

No Paraná, os frigoríficos exportadores seguem ativos nas compras, dando suporte aos firmes preços pagos pelo gado gordo, relata a consultoria. Com a forte demanda de compradores internacionais, as plantas do Estado sulista mantêm produção regular e só conseguem comprar lotes de boiadas mediante elevação nos preços de referência, informa a FNP.

Em Minas Gerais, mesmo com as cotações mais altas, os pecuaristas alegam dificuldades para fazer a reposição dos rebanhos e, aqueles que dispõe de melhores condições nos pastos, optam por segurar a boiada, também especulando valores mais altos pela arroba.

Na Bahia, o mercado do boi gordo registrou baixa liquidez de negócios. As compras efetivadas, porém, foram feitas a preços maiores.

Confira as cotações desta segunda-feira, 29 de junho, de acordo com a FNP:

SP-Noroeste: R$ 218/@ a (prazo)

MS-Dourados: R$ 207/@ (à vista)

MS-C. Grande: R$ 208/@ (prazo)

MS-Três Lagoas: R$ 208/@ (prazo)

MT-Cáceres: R$ 189/@ (prazo)

MT-Tangará: R$ 190/@ (prazo)

MT-B. Garças: R$ 191/@ (prazo)

MT-Cuiabá: R$ 187/@ (à vista)

MT-Colíder: R$ 182/@ (à vista)

GO-Goiânia: R$ 208/@ (prazo)

GO-Sul: R$ 207/@ (prazo)

PR-Maringá: R$ 210/@ (à vista)

MG-Triângulo: R$ 208/@ (prazo)

MG-B.H.: R$ 208/@ (prazo)

BA-F. Santana: R$ 213/@ (à vista)

RS-P.Alegre: R$ 205/@ (à vista)

RS-Fronteira: R$ 204/@ (à vista)

PA-Marabá: R$ 202/@ (prazo)

PA-Redenção: R$ 204/@ (prazo)

PA-Paragominas: R$ 204/@ (prazo)

TO-Araguaína: R$ 203/@ (prazo)

TO-Gurupi: R$ 201/@ (à vista)

RO-Cacoal: R$ 187/@ (à vista)

RJ-Campos: R$ 197/@ (prazo)

MA-Açailândia: R$ 200/@ (à vista)

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO