Agrotóxicos: Cresce número de produtores sem orientação técnica

Censo Agropecuário aponta que 15,6% dos produtores que utilizaram defensivos não sabiam ler e escrever
Foto: Licia Rubinstein/Agência IBGE Notícias

 

O Censo Agropecuário divulgado nesta sexta-feita, 25 de outubro, pelo IBGE revela um dado alarmante: dos 1,7 milhão de produtores rurais que declararam fazer uso de defensivos em suas lavouras, 63% afirmaram não ter recebido nenhuma orientação técnica sobre o uso do produto. O percentual supera os 56% de produtores sem orientação técnica registrado no Censo de 1995, quando 1,4 milhão de produtores assumiram usar o produto.

A pesquisa revela que o gargalo está principalmente entre pequenos e médios produtores. Entre aqueles que possuem área abaixo de 5 hectares, apenas 23% afirmam ter recebido alguma orientação sobre a aplicação dos defensivos. Entre aqueles com área superior a 5 hectares, esse percentual dispara para 62%, chegando a 91% entre os que possuem mais de 500 hectares. Vale ressaltar que as propriedades com menos de 5 hectares representaram quase 66% do total de estabelecimentos com uso de defensivos em 2017.

Quando considerada a escolaridade, os dados revelados pelo IBGE são ainda mais alarmantes: dos 16% de produtores que afirmaram não saber ler nem escrever, 89% declarou não ter recebido orientação técnica. “Esta informação é mais grave do que o total de agrotóxicos. Uma pessoa que não sabe ler e escrever e que não recebeu orientação técnica, em quais condições aplicava esse agrotóxico?”, questiona o gerente técnico do Censo Agropecuário, Antonio Carlos Florido.

Agrotóxico ou defensivo?

Quando considerado o total de estabelecimentos com uso de agrotóxicos, os dados levantados pelo IBGE indicam oscilação ao longo dos últimos anos, saindo de quase 2 milhões de estabelecimentos em 1980 e chegando a 1,4 milhão em 2006. Os dados de 2017 apresentam o primeiro crescimento desde então, de 20% sobre o total observado em 2006, mas em patamares ainda inferiores ao registrado de 1980 a 1995.

De acordo com Florido, a queda no período entre os Censos de 1985 e 2006 pode ser justificada pela mudança trazida pela Lei Federal 7.802, de 1989, que alterou a nomenclatura de “defensivos agrícolas” para “agrotóxicos”. “É mais fácil dizer que usou defensivo do que agrotóxicos, que é um nome mais agressivo”, afirma o gerente técnico.

O IBGE ressalta ainda que os dados referem-se apenas ao número de produtores que aplicam agrotóxicos em suas lavouras, o que não permite avaliar nem a quantidade aplicada e nem a qualidade dessa aplicação (uso adequado). Contudo, as informações acerca da orientação técnica são um alarme para o setor. “O problema é o mau uso, a falta de instrução e a falta de fiscalização, não o produto em si”, ressalta Florido em nota.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

As apostas são altas para o futuro da produção de carne no Brasil. Veja o que dizem as lideranças ouvidas para o Especial Perspectivas 2021 do Anuário DBO. Assista:

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.