[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Barateamento de painéis de energia solar favorece projetos hidráulicos em fazendas

Criador goiano gera sua própria energia elétrica com ajuda de painéis fotovoltaicos e viabiliza projeto hidráulico para intensificação da cria

Painéis fotovoltaicos da Fazenda Alegre: energia para levar 8.000 litros/hora para bebedouros da propriedade. (Foto: José Alves)

Por Ariosto Mesquita

Convencido a intensificar a produção da atividade de cria em uma de suas propriedades (Fazenda Alegre, em Campos Verdes, noroeste de Goiás), o produtor Leonardo Rezende Pinheiro teve de buscar uma alternativa viável para abastecer os 15 bebedouros distribuídos na nova configuração de divisão de pastagens implementada a partir de 2017. Quando percebeu que seria necessário puxar um ramal de energia elétrica da rede concessionária com quase 2 km de extensão para alimentar uma bomba, fez as contas e se assustou. Teria de desembolsar perto de R$ 90.000 e ainda arcar com um acréscimo entre R$ 800 a R$ 1.000 na conta mensal.

Em dezembro de 2019, ele optou pela geração de energia por meio da captação da luz solar, investindo R$ 21.500 em um sistema fotovoltaico com oito placas solares, com potência total de 2.640 Watts, suficiente para o funcionamento de um motor elétrico de 2 cv, potência capaz de levar água ao reservatório em um volume de até 8.000 litros/hora. De lá pra cá, não desembolsou mais nada e não lhe faltou energia nem água. “Em quase um ano e meio, o modelo vem funcionando sem qualquer problema”, garante.

SAIBA MAIS:
+Curral feito de pneus
+Telha galvanizada faz sombreamento eficiente

+Cerca elétrica: Em vez de lascas, vergalhões ou varetas

Proprietário da Elmo Agropecuária, que somente em Campos Verdes possui mais duas fazendas – Tiúbas (também de cria) e Floresta (recria/engorda) – , Pinheiro integra um grupo crescente de produtores brasileiros que opta pela geração de energia própria (no caso, solar). Não há números oficiais segmentados na agropecuária, mas dados recentes da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) revelam que o setor rural detém 13% de toda a potência instalada no Brasil, superando o industrial (8,6%). Perde apenas para os setores residencial (39,2%) e comercial/serviços (37,8%).

Mais do que economia, a geração de energia por meio da luz solar ajudou a viabilizar o funcionamento da nova estrutura hidráulica da fazenda, que, até 2017, contava apenas com aguadas naturais para dessedentar seus animais. O investimento contribuiu para ganhos em eficiência.

“Nossa lotação, que variava de 0,85 a 1 UA/ha, passou a flutuar entre 1,4 e 1,6 UA/ha. A energia solar não foi responsável diretamente pelo aumento da lotação, mas deu segurança para o fornecimento de água em qualidade e quantidade”, esclarece o pecuarista.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

This post is only available to members.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print
2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.