[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Boi não deve ser planilha de Excel ambulante

Grupo de Estudos e Pesquisas em Etologia e Ecologia Animal (ETCO) lança campanha nacional para reduzir uso de marca a fogo nas fazendas

Marcação a fogo é prática milenar, mas precisa ser gradativamente abandonada para garantir o bem-estar animal.

Por Denis Cardoso

Substitua o arcaico ferrete em brasa por brincos, bottons, colares e tatuagens. Essa é a proposta de uma campanha de conscientização lançada, no Brasil, por entidades ligadas ao bem-estar animal. Seu objetivo é reduzir ao máximo o uso da marcação a fogo em bovinos, uma prática ainda bastante comum nas fazendas brasileiras, apesar das fortes evidências científicas de que esse manejo causa muita dor, medo e angústia aos animais.

Batizada de “Por uma nova marca para a pecuária brasileira”, a campanha é liderada pelo Grupo de Estudos e Pesquisas em Etologia e Ecologia Animal (ETCO), da Unesp-Jaboticabal (SP), em parceria com a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), a empresa BE.Animal e a Agropecuária Orvalho das Flores, de Araguaiana, MT, uma fazenda-modelo em boas práticas de manejo.

“O contato entre o homem e os bovinos é milenar, mas os nossos manejos não precisam ser”, sentencia a zootecnista Fernanda Macitelli, professora da UFMT/Campus de Sinop e também integrante do Grupo ETCO. Há evidências de que o ferrete em brasa já era usado na marcação de bovinos desde o Egito Antigo e, no Brasil – assim como em outras partes do mundo –, também como instrumento para marcar escravos. Dos primórdios da pecuária brasileira para cá, a atividade evoluiu consideravelmente, impulsionada por novos conhecimentos e técnicas, como currais antiestresse, cercas minuciosamente planejadas, troncos individuais de contenção, balanças eletrônicas, novos medicamentos e dispositivos eletrônicos.

“Não podemos aceitar mais o uso desenfreado de uma prática obsoleta, capaz de fazer o animal sofrer dor por até oito semanas, decorrente da queimadura e do processo inflamatório da pele”, diz o zootecnista Mateus Paranhos, professor da Unesp e coordenador do Grupo ETCO.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print

Veja também: