[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Coluna do Danilo: Em diferentes canoas, mas no mesmo rio

Na edição de maio da Revista DBO, o zootecnista Danilo Grandini compara os custos e resultados do confinamento no Brasil, Argentina, Austrália e África do Sul. Confira

Por Danilo Grandini – Zootecnista, com pós-graduacão em análise econômica e diretor de marketing da Phibro para o Hemisfério Sul (Austrália, África do Sul, Argentina e Brasil).

Tempos turbulentos trazem um comportamento bem interessante para todos os setores da economia: a necessidade de se comparar! Mais precisamente a busca de uma baliza para saber se estamos no caminho certo, ou mesmo um tipo de orientação. Eu acredito que esse tipo de iniciativa nos ajuda, e muito, a entender melhor o que se passa no País, em nosso setor, para descobrir oportunidades, decidir mais assertivamente, e, frequentemente, cometer o chamado “erro consciente”.

É particularmente interessante ver a dinâmica do setor de confinamento, cuja predominante sazonalidade impõe um desafio adicional: o que fazer neste momento? A decisão estratégica envolvendo a terminação de um estoque em período relativamente curto, nos leva à busca do negócio excelente e daí decorre toda dificuldade de se decidir.

Ao buscar referências e nos compararmos, seria interessante também nos perguntarmos se nosso modelo de negócio (aqui falo do macro) nos trará sustentação no futuro. Eu tenho a opinião sincera de que geração de muitos bons negócios é sempre melhor que um único e excelente, mas, para isso ficar evidente, precisamos rever a estrutura da cadeia de negócios, buscando, genuinamente, a agregação de valor da produção à comercialização.

Confuso? Bom, precisamos tipificar, criar categorias e padrões perceptíveis para os consumidores, para que eles melhor escolham o que desejam comprar. Isso possivelmente nos levará ao caminho da meritocracia, a padrões de produtos mais estáveis, e um modelo de produção de menor sazonalidade, forçando-nos a tomar decisões e gerenciar as estratégias na atividade de produção com uma frequência quase que mensal. Como o hábito faz o monge, daríamos um salto de décadas em favor da sustentabilidade do nosso negócio.

Voltando à ideia de se balizar por referências existentes e tendo em consideração a atividade de confinar neste inverno, vejamos como estamos em relação aos demais países produtores de carne vermelha. A tabela abaixo, nos anos selecionados (2018, antes da febre suína africana e Covid; 2021, todos os fatores impactados), mostra alguns dados interessantes listados abaixo:

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print

Veja também: